PUBLICIDADE

Ela investiu R$ 3 mil em um negócio e hoje fatura isso por dia

Jovem que cresceu na periferia de Salvador lidera a Casa da Preta

4 dez 2023 - 06h00
Compartilhar
Exibir comentários
Iasmine Fernandes
Iasmine Fernandes
Foto: Instagram / Reprodução

Empreendedora, vendedora, influenciadora, modelista, visionária. Iasmine Fernandes pode ser descrita de todas essas maneiras. Aos 33 anos, ela coleciona mais de 120 mil seguidores nas redes sociais, lidera a Casa de Preta e Preta Básica e é embaixadora de marcas nacionais e internacionais. 

O destaque no mercado veio com a multiplicação do investimento inicial de cerca de R$ 3 mil no faturamento de R$ 500 mil em dois anos. A jovem, que cresceu na periferia de Salvador (BA), também se dedica a ensinar donos de negócios a criarem uma conexão estratégica com o cliente e venderem mais.

A jornada da baiana começou aos 12 anos, quando produzia bijuterias de miçangas e brincos de botão para vender na escola e na rua em que morava, na periferia de Salvador. A paixão por acessórios e tecidos vem desde criança, quando brincava de trocar as roupas das bonecas. 

“Sempre quis cursar Moda, mas não tinha coragem porque diziam que não dava dinheiro”, relembra. 

Até o negócio engrenar, Iasmine apostou em outras frentes. Trabalhou por muitos anos como lojista, quando aperfeiçoou as habilidades de relacionamento com o público.

Na faculdade, sua vocação empreendedora a levou a customizar jeans. Mas foi durante o estágio que ela percebeu que um salário mínimo, à época, não iria custear seus sonhos, incluindo o casamento. Ela foi em busca de nova fonte de renda ao lado do namorado, hoje seu esposo, que a apoiou em um terceiro negócio. Aos 24 anos, Iasmine deixou a periferia para fundar a Casa da Preta, na região metropolitana de Salvador.

Começou investindo R$ 2.700 em mercadorias de duas marcas locais, além de marcas de Fortaleza e São Paulo. Hoje, esse é o valor mínimo de suas vendas diárias.

"A loja surgiu da necessidade de curar a dor de quem tinha dinheiro para consumir, mas por ser preta, era perseguida e mal atendida nas lojas", diz ela.

Segundo Iasmine, a intenção era fazer as clientes se sentirem, literalmente, em casa. Elas eram convidadas a retirar os sapatos e recebiam pedaços de bolo, água e outros mimos. “Criei um lugar onde a pessoa pudesse se desacelerar para consumir”, completa.

Uma questão de autoestima

Na visão de Iasmine, a potência do seu negócio sempre foi dar acesso ao público e impulsionar sua autoestima: “Não foi a estratégia de venda, mas sim a estratégia de atendimento que converteu o negócio. O tratamento personalizado impulsionava novos clientes”. 

Como a loja era localizada em um bairro pouco conhecido na capital baiana, Iasmine encontrou – nas redes sociais – a oportunidade para alavancar as vendas. Com isso, foi crescendo e criando nome, movimentando seu negócio e os negócios vizinhos.

“As pessoas acreditavam muito no que eu indicava, produtos que não se limitavam à minha loja, mas valorizavam os segmentos que ficavam ao redor do nosso espaço”, conta. 

Quatro anos se passaram e, nesse período, Iasmine ganhou notoriedade pelos conteúdos relacionados aos cabelos cacheados, entre outros. Recebeu convites para fazer eventos nos shoppings da cidade. O primeiro grande contrato veio em 2019. Desde então, já foi embaixadora de grandes marcas como Seda, Spotify e Natura.

Nessa trilha de sucesso, Iasmine realizou mais um sonho: a criação de sua marca de roupa feminina, a Preta Básica. Hoje as vendas da produção própria na Casa da Preta correspondem a 40% do total, entre outras multimarcas. As peças mais vendidas, que já vestem clientes nos Estados Unidos, Espanha e Alemanha, são vestidos e sobreposições. 

Em novembro de 2022, Iasmine decidiu fechar o ponto físico e focar nas vendas digitais. “Meu custo diminuiu e o lucro aumentou”, explica, ao mencionar uma das decisões mais assertivas da sua carreira. Carreira essa que não se limita às vendas.

Escola da Coragem

A coragem de Iasmine para empreender foi despertada numa feira do Sebrae, quando a adolescente ainda produzia pulseiras de miçanga. Dali em diante, uma consultora do Sebrae passou a acompanhar o passo a passo da loja, principalmente no que diz respeito ao planejamento financeiro, um dos desafios da jovem. Mais de uma década se passou e a parceria com o Sebrae prevalece. 

Em 2022, com o apoio do Sebrae Bahia, Iasmine ministrou a primeira turma de Workshop para Influenciadoras, com temas como publis, acesso às marcas, emissão de nota fiscal, contratos e vendas por links.

Ao longo dos anos, de forma espontânea, Iasmine começou a dar dicas para interessados em abrir um negócio. Com a intenção de influenciar quem quer empreender, Iasmine fundou, em 2020, a Escola de Coragem. 

“É um meio de ensinar ao outro. Nada é mais importante do que crescer e incentivar outras pessoas”, revela. 

Quando fez o anúncio nas redes, ela estava insegura de não alcançar 10 alunos. Mas se surpreendeu quando as inscrições quadruplicaram. De lá para cá, já ensinou mais de 200 pessoas e a meta é ter 1.000 formandos até junho de 2023. O conteúdo é voltado para conversão e vendas, posicionamento para influenciar pessoas, mentalidade e autoconhecimento.

Questionada sobre o futuro dos negócios, Iasmine responde com determinação. “Vamos abrir o atacado Casa da Preta, produzir peças da Preta Básica para dar oportunidade para outras pessoas revenderem em escala”, conta. 

Internacionalizar a marca também está nos planos, junto com a ideia de expandir a agenda de palestras, incluindo a participação na Feira de Empreendedorismo do Sebrae, em 2024.

Fonte: Agência Sebrae

Homework Homework
Compartilhar
Publicidade
Publicidade