PUBLICIDADE

Governo quer Auxílio a R$ 600 e bolsa-caminhoneiro de R$ 1 mil

A 100 dias da eleição, Bolsonaro deve optar por ampliar benefícios em vez de compensar perda de arrecadação dos estados que zerarem ICMS do diesel

23 jun 2022 14h14
| atualizado às 15h18
ver comentários
Publicidade

O líder do governo no Senado, Carlos Portinho (PL-RJ), confirmou nesta quinta-feira, 23, que há uma discussão sobre incluir um aumento do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600, até o fim do ano na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos combustíveis. O senador disse que a ideia é retirar da matéria a compensação a Estados que reduzissem o ICMS sobre diesel e gás de cozinha e, assim, usar os recursos de em torno de R$ 30 bilhões para benefícios sociais.

"A gente quer que chegue na ponta o benefício. Não adianta dar R$ 30 bilhões e os Estados, insensíveis à população, não zerarem [o ICMS]. Se a gente tivesse o compromisso dos Estados em zerar, talvez esses auxílios emergenciais fossem desnecessários", afirmou Portinho. O líder do governo descartou a necessidade de um decreto de calamidade, mas falou em "excepcionalizar" o teto de gastos, a regra que limita o crescimento das despesas à inflação, num momento "emergencial".

O líder do governo no Senado, Carlos Portinho (PL-RJ), confirmou que há uma discussão sobre incluir um aumento do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600, até o fim do ano na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos combustíveis
O líder do governo no Senado, Carlos Portinho (PL-RJ), confirmou que há uma discussão sobre incluir um aumento do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600, até o fim do ano na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos combustíveis
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil / Estadão

"Os recursos são os mesmos que o governo já havia disponibilizado, com uma segurança jurídica da possibilidade de excepcionalizar o teto por um momento emergencial, que é de emergência internacional", declarou Portinho.

O governo quer, ainda, conceder um voucher de R$ 1 mil mensais a caminhoneiros e aumentar o vale-gás a famílias de baixa renda. No caso do Auxílio Brasil, programa social que substituiu o Bolsa Família dos governos petistas, Portinho disse que também se discute com o Ministério da Economia uma ampliação da base de beneficiários.

"Temos que garantir o benefício na ponta sem estourar expectativas do Ministério da Economia", disse o senador. Portinho explicou que o governo está disposto a "colocar na mesa" R$ 30 bilhões na PEC dos combustíveis e que o valor total do pacote chega a R$ 50 bilhões com o corte das alíquotas de tributos federais, como PIS/Cofins e Cide, sobre a gasolina e o etanol.

Estadão
Publicidade
Publicidade