PUBLICIDADE

EUA e Europa despontam no uso do mercado livre de energia

16 out 2012 07h45
Publicidade

Regulamentado em 1996, mas implantado de fato apenas em 2000, após passar por uma série de barreiras fiscais estaduais, o mercado livre de energia elétrica no Brasil deslanchou e hoje cresce em ritmo vertiginoso. Porém, apesar das conquistas recentes, com preços cada vez mais competitivos e o surgimento de novas tecnologias, o setor ainda tem uma presença tímida (o mercado livre responde por 28% do consumo nacional e deve atingir uma participação de 33% até 2015) se comparado a outros países.

Nos Estados Unidos, 65% dos americanos utilizam o mercado livre. No Brasil, este número cai para 28%
Nos Estados Unidos, 65% dos americanos utilizam o mercado livre. No Brasil, este número cai para 28%
Foto: Shutterstock



Nos Estados Unidos, por exemplo, 65% dos consumidores usam o mercado livre - em muitos países da União Europeia, ele representa impressionantes 100% do mercado energético.



É o caso de Portugal, que aprovou em fevereiro a extinção do mercado regulado de energia elétrica no país - o governo já vinha exigindo de consumidores com cargas maiores a migração para o mercado livre. Agora, todos terão que fazer a transição.



Em julho, foi a vez dos clientes com potência contratada superior ou igual a 10,35 kVA. Até o fim de 2012, a medida será válida para todos os consumidores de energia de Portugal. Não foi apenas uma decisão econômica. A União Europeia exigiu que o governo português acabasse com o regime regulado de preços de eletricidade para aprovar um pacote de ajuda econômica ao país.



"Estamos pelo menos dez anos atrasados em relação ao resto do mundo quando o assunto é mercado livre", afirma Reginaldo Medeiros, presidente da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel). "Na maior parte dos países descobriu-se o óbvio: a melhor forma de reduzir o preço da energia elétrica para o consumidor final é fazer as empresas competirem entre elas. Não basta apenas criar uma política de redução de custos", diz o executivo.



O presidente da Abraceel reconhece que houve avanços significativos nos últimos anos. Em 2011, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), responsável pela supervisão deste setor, fechou 2011 com 1.645 empresas associadas (um aumento de 17,2% em relação ao verificado em 2010), mas, segundo ele, é preciso avançar muito em outras , sobretudo na qualificação da mão de obra.



Medeiros lembra que o mercado livre atende a 1.300 clientes no Brasil, o que corresponde apenas a um décimo do total de compradores potenciais, estimados pela Abraceel em 12 mil.



"Precisamos fazer a lição de casa, como os europeus e os americanos fizeram. Isso significa criar a figura do comercializador varejista para atender o consumidor de menor porte, ainda fora do mercado por temer assumir sozinho, por exemplo, o custo de um equipamento de medição. Feito isso - e outras medidas - vamos deslanchar ainda mais", assegura Medeiros.



Economídia
Especial para o Terra
Fonte: Terra
Publicidade