1 evento ao vivo

ENFOQUE-Incerteza ronda safrinha de milho do Brasil por perdas na soja e tributo em MT

6 fev 2019
12h23
atualizado às 13h17
  • separator
  • comentários

As perspectivas favoráveis para a segunda safra de milho do Brasil, a safrinha, começam a se turvar diante de incertezas quanto ao desenrolar climático, após a seca e o intenso calor castigarem a soja, ao passo que uma nova tributação em Mato Grosso enfurece produtores, com impacto maior previsto na semeadura de 2020.

Plantação de milho no interior de São Paulo. 01/04/2018. REUTERS/Marcelo Rodrigues Teixeira
Plantação de milho no interior de São Paulo. 01/04/2018. REUTERS/Marcelo Rodrigues Teixeira
Foto: Reuters

Por ora, a avaliação entre especialistas e produtores ouvidos pela Reuters é de que a janela para o plantio do cereal permanece favorável, uma vez que a colheita de soja avança a passos largos --na segunda safra, o milho é plantado após a retirada da oleaginosa dos campos. Mas preocupações aparecem, com o clima ainda irregular em partes do país.

"Estamos pensando em dar uma alongada nos materiais para dar tempo de se recuperar (a condição climática)... Há risco de se reduzir a área (de milho), mas depende do clima", afirmou João Carlos Ragagnin, que cultiva 8,2 mil hectares em Goiás, o quarto maior Estado produtor de milho safrinha do Brasil.

O Brasil é o terceiro maior produtor de milho e o segundo maior exportador do cereal, tendo na safrinha o grosso da produção anual. Conforme o levantamento mais recente da Conab, a segunda safra em 2018/19 deve alcançar 63,7 milhões de toneladas, ou cerca de 70 por cento do total esperado.

"Tem gente diminuindo a área", disse Flávio Faedo, produtor de soja e milho na região de Rio Verde (GO).

Segundo ele, há quem destinará maior parcela de área que inicialmente seria destinada ao milho para outros tipos de culturas de rotação, como crotalária. Ele próprio disse que, após 2,2 mil hectares com soja, semeará em torno de 75 por cento disso com milho --o restante deve ser ocupado com capim braquiária.

Os comentários vão ao encontro do que o presidente da Cooperativa Agroindustrial dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano (Comigo), Antonio Chavaglia, disse na semana passada à Reuters, de que o plantio da segunda safra na região ainda está em aberto após o tempo adverso.

No sudeste de Mato Grosso, a preocupação é a mesma --o Estado é o maior produtor brasileiro de milho.

"Em uma normalidade, a plantadeira acompanha a colheitadeira, mas neste ano está truncado...", comentou Gilmar Provin, supervisor comercial da Cooaprima, cooperativa agropecuária de Primavera do Leste (MT), cujo quadro de quase 100 cooperados planta 120 mil hectares de soja e 83 mil de milho.

"Vai ter problema", frisou Provin na semana passada, durante trecho da expedição técnica Rally da Safra, organizado pela Agroconsult e acompanhado pela Reuters, entre os Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás. Ele lembrou que alguns agricultores estão "plantando no pó", em áreas secas.

PREOCUPAÇÃO

"Esses problemas que tivemos na soja deixam o produtor mais receoso. Mas ainda temos uma boa janela para o milho. O que vemos é que os produtores atrasaram a negociação de insumos para a safrinha", afirmou Adriano Gomes, analista da AgRural.

Maior exportador mundial de soja, o Brasil deu início ao plantio em setembro do ano passado com condições extremamente favoráveis, levando o mercado a apostar em uma safra recorde bem superior a 120 milhões de toneladas. Mas a estiagem e as altas temperaturas a partir de dezembro fizeram as previsões serem cortadas, com a Aprosoja Brasil prevendo uma quebra de 16 milhões de toneladas.

"A melhor janela (de plantio) vai até o final de fevereiro. Se o clima não ajudar, se não for favorável... pode haver alguma revisão. Acredito que essa preocupação exista, sim. Por causa da quebra na soja, (o produtor) vai estar de olho, porque a safrinha é mais arriscada", disse a analista Ana Luiza Lodi, da INTL FCStone, lembrando que o milho safrinha se desenvolve em um período de sazonal diminuição de chuvas.

PRESSÃO À FRENTE

Modelos climáticos apontam para chuvas irregulares em algumas regiões produtoras de milho safrinha do Brasil.

De acordo com o agrometeorologista Marco Antonio dos Santos, da Rural Clima, fevereiro e março deverão ser de chuvas mais dentro da média nas faixas central e norte do Brasil.

"Mas para o sul do Brasil, estou com medo de março, pois indica um mês com chuvas mais irregulares sobre o Paraná e o sul de Mato Grosso do Sul. Vai pegar, infelizmente, a fase de pegamento de milho... Acendeu um alerta e está piscando forte", destacou.

Essa área do Brasil mencionada por Santos foi, por sinal, a mais castigada pela estiagem que afetou a soja.

"Caso se confirme isso, seria a terceira safra consecutiva de perdas no Paraná", disse o agrometeorologista, lembrando de problemas climáticos em anos anteriores.

Nesta semana, o Departamento de Economia Rural (Deral), vinculado à Secretaria de Agricultura paranaense, citou certo estresse sobre o milho de segunda safra já plantado em Umuarama, no centro-oeste do Estado, bem como sobre a semeadura em Apucarana, no centro-norte, por falta de chuvas.

TRIBUTAÇÃO

Além do clima, produtores de Mato Grosso também estão preocupados com a inclusão do milho entre os produtos tributados pelo Fethab, um fundo criado em 2000 e voltado a investimentos em habitação e transporte. A medida relativa ao cereal foi aprovada no fim do mês passado.

A base de cálculo do Fethab é a Unidade Padrão Fiscal (UPF), um indexador que corrige taxas cobradas pelo Estado. No caso do milho, o recolhimento será de 6 por cento do valor da UPF por tonelada enviada tanto a outras partes do país quanto ao exterior.

Como Mato Grosso é um exportador, na prática haverá uma incidência de 50 centavos de real por saca de milho enviada, além do Funrural, o único tributo que incidia sobre o cereal até então, disse o vice-presidente da Aprosoja-MT, Fernando Cadore.

Para ele, a cobrança tende a desestimular o plantio da safrinha do ano que vem, já que a deste está praticamente planejada. Mesmo assim, há riscos.

"Pode respingar em alguma área adjacente, de milho tardio... Daí o produtor pode expandir menos a área, fazer rotação de cultura", explicou.

Segundo Cadore, áreas do médio-norte do Estado seriam as mais impactadas, já que por estarem mais longe dos centros de exportação no Sul e Sudeste, arcariam com custos ainda maiores.

"A partir de 2020 isso pode inviabilizar o plantio da safrinha", comentou.

Na mais recente mudança relativa ao Fethab, a tributação da soja sofreu pouca alteração, disse Cadore, ficando em 1,70 real por saca.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • comentários
publicidade