PUBLICIDADE

Dólar segue na casa dos R$ 5,09 com guerra na Ucrânia e commodities fortes

4 mar 2022 - 11h45
Compartilhar
Exibir comentários

O dólar escalou à máxima a R$ 5,0950 (alta de 1,33%) no mercado à vista. O economista-chefe da J.F. Trust, Eduardo Velho, afirma que o ajuste de alta frente a moeda brasileira é determinado pela valorização global do dólar com a aversão a risco pela guerra na Ucrânia acelerando o aumento dos preços de commodities agrícolas e do petróleo.

O economista avalia que a correção ante a divisa brasileira é relativamente contido, após fortes quedas acumuladas devido a expectativas de continuidade do fluxo de entrada de investidores estrangeiros por causa do diferencial de juros muito atrativo no Brasil e enquanto tiver pressão da guerra sobre commodities.

A intensidade do avanço do dólar no exterior hoje indica a necessidade de altas de juros maiores pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), tudo indica nas reuniões subsequentes a de 16 de março, inclusive porque o payroll (dado de emprego norte-americano) de fevereiro veio forte.

No CME Group, os investidores continuam a esperar na grande maioria (90%) que o Federal Reserve eleve os juros em 25 pontos-base, em 16 de março.

Hoje, como o resultado do PIB brasileiro de 2021 veio sem grande surpresa, Eduardo Velho observa que prevalece a cautela e o fluxo de entrada estaria tendo uma interrupção, após fortes ingressos nas últimas sessões.

Ele destacou a entrada de R$ 4,941 bilhões na B3 apenas na sessão de quarta-feira. No acumulado de 2022, o capital externo soma entrada de R$ 67,561 bilhões na B3. Em fevereiro, o fluxo cambial total foi positivo em US$ 6,340 bi, sendo que o canal financeiro, por onde entra os recursos de investidores estrangeiros, apresentou entradas líquidas de US$ 3,347 bilhões no período.

Estadão
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade