PUBLICIDADE

Investimento no agro deve desacelerar em 2024 em meio a safra menor, clima adverso e juro ainda alto

Setor de armazenagem, porém, pode surpreender, já que a capacidade de estocar grãos continua baixa

7 jan 2024 - 17h21
(atualizado em 8/1/2024 às 08h55)
Compartilhar
Exibir comentários

A expectativa de uma menor safra de grãos neste ano somada à conjuntura de preços não tão remuneradores das commodities e juros ainda elevados devem levar à desaceleração nos investimentos do agronegócio.

Os produtores rurais tendem a manter a cautela nos investimentos neste ano, sobretudo em bens de capital, sem aportes expressivos, mas em níveis semelhantes ao realizado no ano passado, relataram consultorias e associações ao Broadcast Agro.

Do lado das agroindústrias, o custo do capital será determinante para a definição de novos investimentos, além da avaliação sobre as modificações nos incentivos estaduais em virtude da reforma tributária.

Produtores rurais tendem a manter a cautela nos investimentos neste ano.
Produtores rurais tendem a manter a cautela nos investimentos neste ano.
Foto: Epitácio Pessoa/Estadão / Estadão

A Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) prevê estabilidade na venda de máquinas e equipamentos agrícolas neste ano, mas o nível de juros e os reflexos do El Niño sobre a safra de grãos influenciarão o apetite do produtor, avalia o presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas (CSMIA) da Abimaq, Pedro Estevão Bastos.

"Não vemos gatilhos nem para alta nem para a queda, mas ainda depende dos impactos e do comportamento do El Niño deste mês até março. Se voltar a chover bem, os fundamentos para agricultura melhoram, a janela para investimentos também e podemos ter estabilidade", afirmou Bastos.

Além dos efeitos climáticos sobre a safra, os juros também continuam no radar do mercado de máquinas, com a expectativa de redução na taxa básica de juros (Selic). Entretanto, juros mais baixos tendem a se refletir no mercado apenas no 2º semestre, com o lançamento das linhas de crédito do Plano Safra 2024/25, já que o atual Plano 2023/24, que se estende até 30 de junho, está com as taxas determinadas.

"Imaginamos taxas atuais neste 1º semestre (para investimento). Pedimos a revisão dos juros ao governo porque a Selic está caindo, mas a tendência é que permaneçam nesses patamares para a linha de crédito oficial até julho", acrescentou Bastos. "Hoje, mesmo com a queda, os juros seguem na casa de dois dígitos, o que encarece os investimentos de longo prazo, como em bens de capitais", apontou.

Já a consultoria MB Agro vê um maior nível de investimentos em armazenagem, a depender também do resultado final da safra de grãos 2023/24.

"Com a queda do custo de produção, o produtor tende a ter maior rentabilidade e retomar aos poucos os investimentos. O receio da troca de governo que permeou o ano passado também já passou. Agora, novos recursos para armazenagem e a tomada de financiamentos vão depender do desenvolvimento da safra, se haverá recuperação ou o tamanho das perdas", avaliou o sócio-diretor da MB Agro, José Carlos Hausknecht.

"Mesmo menor, a safra ainda será robusta e a capacidade de armazenagem continua baixa", acrescentou. Ele não acredita na retração do nível de investimento feito pelo agronegócio neste ano, mas também não vê incentivos para aceleração.

Estadão
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade