PUBLICIDADE

Rezende foi um dos melhores repórteres investigativos da TV

Jornalista deu importante contribuição ao telejornalismo antes de ceder ao gênero policialesco

16 set 2017 20h44
ver comentários
Publicidade

Alto, corpulento e com voz imperativa, Marcelo Rezende, que morreu neste sábado (16) em decorrência de um câncer em vários órgãos, foi uma presença marcante em todas as redações nas quais trabalhou. E foram muitas, em jornais, revistas, rádios e na TV.

Mas não era apenas sua figura autoritária que impressionava. O talento também o fazia se destacar. Provou-se competente escrevendo matérias, reportando a ouvintes e no ‘olho a olho’ com telespectadores.

O apresentador participou de coberturas históricas e lançou o exitoso ‘Linha Direta’ na Globo.
O apresentador participou de coberturas históricas e lançou o exitoso ‘Linha Direta’ na Globo.
Foto: Divulgação/RecordTV

Foi de uma época em que se fazia jornalismo na rua, correndo atrás da notícia, e não apenas consultando o Google e as redes sociais no conforto da redação com ar-condicionado.

Ousado e destemido, com aquela típica marra carioca, ele se tornou um dos mais competentes repórteres investigativos da televisão brasileira, onde estreou na Globo em 1987, na área de esportes.

Logo a direção da emissora percebeu seu potencial para pautas policiais. Rezende foi a campo e não decepcionou. Dedicou-se à cobertura de assassinatos, sequestros, conflitos agrários e escândalos de corrupção.

O auge da carreira aconteceu ao ancorar a denúncia de execuções sumárias feitas por policiais na Favela Naval, em Diadema, na Grande São Paulo, a partir de imagens de um cinegrafista amador.

Com reportagens exclusivas realizadas com apurado faro investigativo e boas fontes, Marcelo registrou seu estilo contundente no ‘Fantástico’, no ‘Globo Repórter’ e no ‘Jornal Nacional’.

Em maio de 1997, se reinventou ao estrear no comando do ‘Linha Direta’, programa que reconstituía crimes chocantes no formato dramatúrgico ao gosto do público apaixonado por novelas.

A atração ajudou a polícia a prender vários criminosos foragidos e elevou o prestígio de Marcelo Rezende. Ali começou sua transição de repórter tradicional para showman de telejornalismo policial.

Fora da Globo em 2002, ele passou por RedeTV! (‘Repórter Cidadão’ e ‘RedeTV News’) e Band (‘Tribunal na TV’), antes de se firmar na Record em 2010, onde havia trabalhado anteriormente por curto período.

Após um tempo no ‘Domingo Espetacular’ e no ‘Repórter Record’, assumiu a apresentação do ‘Cidade Alerta’ em 2012.

Polemista e ‘indirigível’, virou o mais bem-sucedido âncora do estilo ‘sangue na tela’, chegando a marcar mais de 10 pontos no Ibope.

Marcelo Rezende não teve pudor em se popularizar diante das câmeras. Mas rejeitava o tempo ‘policialesco’ que parte da imprensa usava para definir o jornalismo que fazia. Alegava exibir apenas a vida real, nua e crua.

O bordão ‘corta pra mim!’ ganhou a boca do povo. Era admirado pela classe policial, a quem sempre oferecia apoio.

Impossível ignorar que sua produção jornalística dos últimos anos foi incompatível com a qualidade das reportagens vibrantes que fez na Globo.

Contudo, essa fase de ‘audiência a todo custo’ não desvaloriza a contribuição relevante dada por ele à modernização do telejornalismo brasileiro.

Em maio, durante entrevista ao ‘Domingo Espetacular’, o apresentador revelou um câncer no pâncreas e no fígado. Deixou de ser noticiador para ser tratado como personalidade midiática.

Nos últimos quatro meses, suas mensagens escritas e vídeos caseiros postados nas redes sociais repercutiram na imprensa.

A luta contra a doença suscitou solidariedade de milhões de anônimos e acaloradas discussões a respeito de tratamentos alternativos para a cura do câncer.

Em um de seus posts no Instagram, o apresentou citou o trecho de uma composição da musicista e poeta argentina María Elena Walsh: “Tantas vezes me mataram, tantas vezes eu morri, mas eu estou aqui, ressuscitando”.

Marcelo Rezende, 65 anos, deixa cinco filhos e um valioso legado como jornalista.

Não tenho medo, diz Marcelo Rezende após parar quimioterapia:
Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade