4 eventos ao vivo
TV

Fernanda Lima diz que programa polêmico foi gravado em julho

Apresentadora foi alvo de ofensas por conta de discurso feito no programa que foi ao ar nesta semana

9 nov 2018
14h07
atualizado às 18h31
  • separator
  • comentários

A apresentadora Fernanda Lima usou seu perfil no Instagram para comentar a repercussão de seu discurso no programa Amor e Sexo que foi ao ar na terça-feira, 6, e a levou a bloquear os comentários de suas redes sociais por conta de ataques recebidos.

Fernanda Lima
Fernanda Lima
Foto: Ney Coelho / Globo / Divulgação / Estadão Conteúdo

"Estou recebendo muito amor e com isso renovando minhas energias para seguir a caminhada. É muito importante receber o reconhecimento do papel do Amor e Sexo em defesa da igualdade e da diversidade", afirmou.

Em seguida, fez questão de ressaltar que o programa foi feito meses antes das eleições: "É um trabalho que leva meses para ser desenvolvido, com cada tema pesquisado, escrito e gravado com meses de antecedência. O programa 'mulher', que foi ao ar nesta semana, foi gravado em julho."

Por fim, Fernanda ainda afirmou que sua motivação "é provocar reflexões sobre o papel da mulher na sociedade e como podemos desconstruir as estruturas machistas, homofóbicas e racistas que aprisionam mulheres e homens". "O amor cura", finalizou.

O programa

Na terça-feira, 6, a apresentadora abriu o programa com um discurso incisivo sobre o conservadorismo e prometendo que 'a revolução está apenas começando'. "Chamam de louca a mulher que desafia as regras e não se conforma. Chamam de louca a mulher cheia de erotismo, de vida e de tesão. Chama de louca a mulher que resiste e não desiste. Chamam de louca a mulher que diz sim e diz não. Não importa o que façamos, nos chamam de louca", disse.

Fernanda Lima foi além e afirmou que nada disso importa: "Se levamos fama, vamos sim deitar na cama. Vamos sabotar as engrenagens desse sistema de opressão. Vamos sabotar as engrenagens desse sistema homofóbico, racista, patriarcal, machista e misógino. Vamos jogar na fogueira as camisas de forças da submissão, da tirania e da repressão. Vamos libertar todas nós e todos vocês. Nossa luta está apenas começando", concluiu.

No início de outubro, Fernanda Lima deu uma entrevista ao E+ e falou sobre a nova temporada do programa. "Quando a gente traz algo que toca a todos, a gente não precisa separar homens de mulheres, gays de héteros, pretos de brancos. Estamos falando com todo mundo e queremos as mesmas coisas: direitos, mais honestidade e respeito", declarou na ocasião.

Ouça o podcast Terra Entretenimento:

Veja também:

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade