PUBLICIDADE

Em 'Máscaras', autor recoloca o galã como figura central

16 abr 2012 12h19
| atualizado às 12h27
Publicidade
Geraldo Bessa

Na contramão do tradicional lugar de destaque das mulheres na teledramaturgia brasileira, as novelas de Lauro César Muniz são centralizadas na força de personagens masculinos. Com a história focada nos heróis errantes, Lauro César já apresentou ao público figuras marcantes, como os ambíguos Antônio Dias, de Escalada, exibida em 1975, e Renato Villar, de Roda de Fogo, de 1986, ambos defendidos por Tarcísio Meira. De volta ao ar com Máscaras, da Record, o autor parece querer devolver as rédeas da trama ao galã. Neste caso, Otávio, de Fernando Pavão. É ele quem vai passar a novela toda à procura de pistas que possam esclarecer o sequestro de sua mulher, Maria, de Miriam Freeland, e de seu filho recém-nascido. No entanto, Pavão mostra falta de estofo para dar vida a este protagonista. O problema não reside apenas no desempenho do ator, mas também pela falta de equilíbrio entre o texto de Lauro César e as imagens capitaneadas por Ignácio Coqueiro. Autor e diretor já trabalharam juntos em Cidadão Brasileiro, de 2006, e Poder Paralelo, de 2009.

Enquanto o autor exagera no tom poético e didático da maioria dos diálogos, o diretor endossa os excessos em cena, o que deixa as sequências artificiais. Por conta disso, a maioria das atuações são comprometidas por um forçado ar teatral. Em especial, as cenas iniciais de Miriam Freeland, na pele de uma mãe que sofre de depressão pós-parto. E das irmãs Tônia e Luma, de Daniela Galli e Karen Junqueira, respectivamente. Muito do didatismo da trama vem dos assuntos abordados em Máscaras. Para explicar a depressão de sua mocinha, Lauro César recorre a um conceito tirado de qualquer enciclopédia médica. Além disso, a política, tema constante na maioria das tramas do autor, marca presença em discussões fora de contexto, onde os personagens falam sobre a repercussão do governo da presidente Dilma Rousseff, ou da atual fragilidade econômica dos Estados Unidos, explicitada por frases panfletárias de efeito como "A América brochou!".

Apesar do tom acima, a produção se sai muito bem ao mostrar a capacidade de Lauro César em criar personagens complexos, onde não se sabe muito bem quem é mocinho ou bandido. Atores já enturmados com o estilo do autor, como Petrônio Gontijo e Paloma Duarte, roubam a cena e surgem como motivos para acompanhar a trama. Mesmo precisando de ajustes em sequências dramáticas e cotidianas, a direção de Coqueiro apresenta-se bem nas cenas de ação. Outro mérito do diretor é que mesmo em uma história com ambientação itinerante - que mescla cenas gravadas na cidade de Dallas, no Texas, no interior do Mato Grosso do Sul, no Rio de Janeiro e a bordo de um transatlântico -, ele consegue dar unidade artística ao trabalho, que já nasce representativo por se tratar da anunciada última novela em formato tradicional de Lauro César.

Máscaras - Segunda a sexta, às 22h15, na Record.

'Máscaras' é exibida de segunda a sexta, às 22h15, na Record
'Máscaras' é exibida de segunda a sexta, às 22h15, na Record
Foto: TV Record / Divulgação
Fonte: TV Press
Publicidade