PUBLICIDADE

Paulo Gustavo deu histórico beijo gay em capa de 1999

Humorista então desconhecido topou posar com o namorado para a revista voltada a homossexuais

7 mai 2021 13h56
ver comentários
Publicidade

Ao se assumir gay publicamente, casar com o dermatologista Thales Bretas e se tornar pai de dois meninos, Paulo Gustavo — morto em consequência de complicações de covid-19, aos 42 anos — virou um ícone da comunidade gay. Além disso, ele criou e interpretou vários personagens ligados ao universo LGBT+, como a diva dos afeminados ‘Bicha Bichérrima’.

A capa bombástica do beijo gay entre Paulo Gustavo (à direita) e seu então namorado: imagem histórica na batalha pelos direitos da comunidade LGBT+
A capa bombástica do beijo gay entre Paulo Gustavo (à direita) e seu então namorado: imagem histórica na batalha pelos direitos da comunidade LGBT+
Foto: Fotomontagem: Blog Sala de TV

O que poucos sabem é que a militância do ator começou muito antes de conquistar fama, sucesso e respeito no teatro, no cinema e na TV. Em 1999, aos 21 anos, ele aceitou a superexposição de aparecer dando um beijo na boca de outro homem na capa de uma revista.

Para aquele período — bem menos liberal do que hoje — era uma ousadia sem precedentes. O parceiro na foto foi seu namorado na época, chamado Fábio. Com o gesto corajoso, o anônimo Paulo Gustavo deu imensurável contribuição à luta contra a homofobia.

A edição chegou às bancas dentro de um saco plástico preto para evitar boicote de jornaleiros conservadores e possíveis ações judiciais para tirá-la de circulação. A partir daquele ato revolucionário, outros beijos gays surgiram na imprensa, normatizando o gesto de amor entre pessoas do mesmo sexo.

 Paulo Gustavo com o marido, Thales Bretas, e os filhos do casal, Gael e Romeu: símbolo de nova família
Paulo Gustavo com o marido, Thales Bretas, e os filhos do casal, Gael e Romeu: símbolo de nova família
Foto: Reprodução/Instagram

Naquele 1999, o Brasil acompanhava no horário nobre da Globo um personagem gay popular, o esotérico Uálber, interpretado por Diogo Vilella na novela ‘Suave Veneno’, do autor também gay Aguinaldo Silva. Em cena icônica, o rapaz enfrenta o pai homofóbico que o xinga de “bicha”. “Para você, dona bicha”, responde.

A ‘Sui Generis’ se consolidou como uma das primeiras revistas voltadas a gays no País. Trazia matérias de comportamento, cultura, entrevistas com ativistas e, claro, ensaios com belos homens. Entre os famosos que foram capa, os atores André Gonçalves, Gabriel Braga Nunes e Leonardo Brício, o cantor Ney Matogrosso e o lutador Vitor Belfort. A revista durou de 1995 a 2000.

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
Publicidade
Publicidade