0

TikTok revoluciona a indústria da música no Brasil, aponta estudo inédito

19 fev 2021
13h26
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A pandemia mudou a forma de consumo de muitas pessoas, principalmente em relação aos aplicativos. Dentre eles, não é novidade que o TikTok chegou revolucionando a cultura online, além de evidenciar a importância de se comunicar com a geração Z. Mas será que um aplicativo pode influenciar grandes indústrias, como a da música?

Foto: Divulgação | TikTok / The Music Journal

Para responde essa questão, a martech brasileira Winnin, que mapeia a cultura nas redes com IA (Inteligência Artificial), desenvolveu um estudo exclusivo revelando o impacto do TikTok no consumo de música online.

A empresa analisou os formatos, trends e creators, identificando como o aplicativo gerou este grande impacto na forma de consumirmos música online.

A plataforma criou uma linha do tempo para entender como uma música se torna viral no aplicativo e consequentemente acaba sendo buscada nos streamings de música:

A trend é lançada no TikTok É quando o vídeo começa a ter visibilidade e viralizar a música, seja ele com uma coreografia, point of view, dublagem, covers ou challenges.

Participando da trend, as pessoas começam a reproduzir a música em seus vídeos, duetando, dançando ou criando uma nova trend com aquele som.

Busca pela trilha sonora em streams de música por aparecer em diversos vídeos dentro da plataforma, as pessoas começam a buscar pela trilha sonora completa nesses streams de música, para ouvirem no dia-a-dia.

A música viraliza

Após as pesquisas, a música viraliza gerando um engajamento positivo em todas as plataformas.

Gênero K-pop domina a plataforma

A plataforma combinou o potencial de visualização de um assunto de acordo com o tamanho da sua audiência e chegou aos cinco gêneros musicais mais consumidos pela geração Z no aplicativo:

1º K-Pop

2º Rap e Hip-Hop

3º Música Latina

4º Pop

5º Funk Brasileiro

Podemos perceber essa influência do TikTok crescendo dia a dia quando traçamos um paralelo com as 10 músicas mais ouvidas em 2020 no Spotify, sete delas viralizaram primeiro na plataforma. Além de entender o processo de viralização de uma trilha no aplicativo, o estudo mapeou quais os formatos que mais engajam as músicas. Não é uma surpresa que as coreografias estão no topo da lista, seguidas dos challenges, que unem a música com um desafio.

Na sequência, os covers e duetos contribuem para que novos creators também divulguem suas músicas. Por último, os POV's (point of view), que têm ganhado espaço dentro do aplicativo e dado fama a algumas pessoas, como o LzMario conhecido pelo bordão "Roi, Letícia né?".

Apesar de ser uma das plataformas mais relevantes do momento, o TikTok ainda não é aproveitado em sua totalidade pelas marcas. O aplicativo, que impulsiona a criação de conteúdo altamente replicável, tem um grande impacto na cultura online e, principalmente, na música. Assim como a indústria musical foi impactada pela força da plataforma, outros segmentos já estão passando por essa transformação. Para participar dessa revolução, as marcas precisam se tornar verdadeiros creators, explorando formatos e colaborando com os nomes que estão impulsionando a nova era de conteúdos.

Metodologia do relatório

O levantamento levou em consideração o aumento de buscas por determinadas trilhas, relacionadas ao uso delas no TikTok no ano de 2020/21 e dentro dessas temáticas, analisou os criadores de conteúdos e os formatos que auxiliam nesse engajamento e auxílio à indústria da música.

Todos os insights foram construídos a partir de dados do software proprietário de inteligência de vídeo da startup, o Winnin Insights, que mapeia novas tendências emergentes de acordo com múltiplas variáveis como setor, público-alvo e objetivo de negócios, entregando insights e permitindo que marcas e agências ajam rapidamente para criar produtos, ações e estratégias mais assertivas e relevantes.

Veja também:

Justin Timberlake pede desculpa a Britney Spears: "Falhei"
The Music Journal The Music Journal Brazil
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade