PUBLICIDADE

Guitarrista Lanny Gordin, o "Hendrix brasileiro", morre aos 72 anos

28 nov 2023 - 17h18
(atualizado às 17h24)
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Acervo/Guilherme Held / Pipoca Moderna

O guitarrista Lanny Gordin, que marcou época na era da Tropicália, morreu nesta terça (28/11) aos 72 anos, após um mês de internação devido a uma pneumonia no Hospital Ignácio Proença de Gouveia, em São Paulo. Nascido Alexander Gordin em Xangai, filho de um russo e de uma polonesa, e criado entre Israel e Brasil, ele deixou um legado inigualável na música brasileira.

Desde jovem, Lanny demonstrava um talento incomum. Aos 16 anos, ele já se destacava na casa noturna Stardust, na Praça Roosevelt, em São Paulo. Com um estilo inovador e audacioso, que o fazia ser comparado a Jimi Hendrix, foi logo convidado a integrar a Jovem Guarda, gravando com Eduardo Araújo a música "Nem Sim, Nem Não" em 1968. No ano seguinte, formou o grupo Brazilian Octopus, ao lado de Hermeto Pascoal e Olmir Stocker. O grupo lançou um LP que se tornou cultuado por sua fusão inovadora de jazz, rock, bossa nova e música clássica, evidenciando a versatilidade e o experimentalismo que acompanhariam a carreira de Gordin.

Lanny Gordin rapidamente atraiu a atenção dos artistas da Tropicália, participando em álbuns icônicos como "Gal Costa" (1969), "Gal" (1969), "LeGal" (1970) e "Fatal - A Todo Vapor" (1971), "Caetano Veloso" (o álbum branco de 1969), "Gilberto Gil" (1969) e "Expresso 2222" (1972). Sua habilidade em mesclar estilos e inovar na guitarra foi fundamental para a sonoridade dessas obras, incorporando elementos do rock psicodélico em canções que se tornaram clássicos da música brasileira. Sua contribuição marcou faixas como "Divino, Maravilhoso", "Baby", "Não Identificado", ajudando a moldar o som da Tropicália. Ele também foi peça-chave no álbum de estreia de Jards Macalé, no primeiro disco solo de Rita Lee, "Build Up" (1970), e em "Carlos, Erasmo" (1971), de Erasmo Carlos, além de ter trabalhado com Tim Maia, Elis Regina e muitos outros.

Durante o auge da carreira, Lanny foi para Londres, onde descobriu o LSD. O uso contínuo da droga fez um estrago irreversível. Diagnosticado com esquizofrenia, ele acabou internado numa clínica psiquiátrica, com tratamento a base de eletrochoques, e se afastou dos palcos. O retorno à música foi tímido, participando nos anos 1980 da Banda Performática do pintor José Roberto Aguilar, de trabalhos do cantores Itamar Assumpção e Vange Leonel, além do disco "Aos Vivos" (1995) do cantor Chico César.

Seu primeiro disco solo só saiu em 2001, o auto-intitulado "Lanny Gordin", que foi seguido por "Projeto Alfa" (2004), ambos da gravadora independente Baratos Afins, e os aclamado álbuns "Duos" (2005) e "Lanny Duos" (2007), que contou com a participação de várias estrelas da música brasileira. Esses trabalhos reafirmaram sua posição como um dos maiores guitarristas do Brasil.

Nos últimos anos, ele enfrentou desafios de saúde significativos, incluindo a síndrome de Guillain-Barré e uma inflamação nas articulações da coluna, mas continuou tocando sua guitarra, registrando sua história no documentário "Inaudito", lançado em 2020.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Compartilhar
Publicidade
Publicidade