PUBLICIDADE

Julio Calasso (1941-2021)

12 jun 2021 15h40
ver comentários
Publicidade
Foto: Facebook/Julio Calasso / Pipoca Moderna

O cineasta, ator e produtor musical Julio Calasso morreu na sexta-feira (11/6), aos 80 anos. A informação foi confirmada pela família, mas a causa da morte não foi divulgada.

O artista paulistano trocou o curso de Filosofia pelos Teatros Oficina e Arena em 1964. Mas já no ano seguinte se encantou pelo cinema, iniciando a carreira como assistente de Geraldo Sarno no emblemático documentário "Viramundo".

Ele passou três anos trabalhando em produção, roteiro e edição na antiga TV Excelsior, de onde saiu para se tornar assistente de produção do clássico "O Bandido da Luz Vermelha", de Rogério Sganzerla, marco do cinema marginal, no qual também estreou como ator.

Seu passo seguinte foi escrever, produzir e dirigir seu próprio filme, "Longo Caminho da Morte", em 1972. O longa narrava a vida e morte do Coronel Orestes (Othon Bastos), fazendeiro de café decadente, e antecipava temas como sustentabilidade, a falência da política e da vida no planeta. Foi selecionado para os festivais de Locarno e Nova Deli, mas acabou proibido de participar pela censura federal.

A ditadura impediu que Calasso fosse mais apreciado, impactando sua carreira. Desencantado, ele abandonou a direção e até mesmo o cinema, virando produtor artístico de grupos musicais como Joelho de Porco, Novos Baianos, Sindicato e da carreira solo de Moraes Moreira.

Até o dia em que recebeu convite para um pequeno papel em "O Vampiro da Cinemateca" (1977), de Jairo Ferreira. Voltou a ser convidado a atuar em "O Baiano Fantasma" (1984), de Denoy Oliveira, "Filme Demência" (1986), de Carlos Reinchenbach, "A Dama do Cine Shanghai" (1987), de Guilherme de Almeida Prado, e quando reparou já tinha virado ator de várias obras, com muitas outras pela frente.

Paralelamente, o amor à sétima arte o levou a se tornar idealizador de mostras alternativas e itinerantes, como Cinema Bandido, Cinema de Invenção, Cinema Negro e Cine Teatro Brasil.

Entre 1998 e 2007, finalmente voltou a pegar a câmera para começar a filmar imagens de espetáculos teatrais ousados, que resultaram em três documentários licenciados para a Sesc TV. Essa iniciativa foi a semente de sua volta à direção de cinema, com a obra "Plínio Marcos - Nas Quebradas do Mundaréu", documentário lançado em 2015 com a participação de Neville d'Almeida e Tônia Carrero.

Nos últimos anos, Colasso tinha sido descoberto pelas séries, integrando o elenco de "Unidade Básica" e "Me Chama de Bruna" (ambas em 2016). Entre seus últimos trabalhos, destacam-se ainda o filme "Estamos Juntos" (2011), de Toni Venturi, e a comédia "Fala Sério, Mãe!" (2017), de Pedro Vasconcelos, com a qual se despediu das telas.

Foto: Reprodução / Pipoca Moderna
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade