0

Danny Masterson começa a ser julgado por estupro nos EUA

19 set 2020
20h24
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Foto: Divulgação/Netflix / Pipoca Moderna

O ator Danny Masterson, das séries "That '70s Show" e "The Ranch", fez sua primeira aparição no tribunal de Los Angeles, na sexta (18/9), para se defender das acusações de estupro movidas contra ele por três mulheres. Masterson chegou a ser preso em junho, mas pagou fiança de US$ 3,3 milhões para participar do julgamento em liberdade.

Por meio de seu advogado, o ator declarou-se inocente e alegou que as acusações contra ele eram "políticas", devido a sua ligação com a Igreja da Cientologia.

Segundo o site Page Six, o advogado Tom Mesereau acusou a promotora distrital do condado de Los Angeles, Jackie Lacey, de apresentar as acusações com o objetivo de chamar atenção para si mesma, na véspera de eleições para ser reconduzida a seu posto, marcadas para novembro.

"Houve repetidas tentativas de politizar este caso", disse Mesereau, que também defendeu Michael Jackson contra alegações de má conduta sexual em um caso anterior. "Ele é absolutamente inocente e vamos provar isso."

O advogado de defesa também tentou impedir que câmeras pudessem entrar no tribunal, alegando que a presença da mídia seria prejudicial não só a Masterson, mas também aos jurados em potencial. Mas o juiz do Tribunal Superior, Miguel T. Espinoza, não só permitiu a cobertura da mídia como negou um pedido da defesa para colocar o caso em segredo de justiça, permitindo a polícia, promotores e testemunhas em potencial de revelar informações à imprensa.

A defesa ainda apresentou documentos solicitando que a ação penal contra a Masterson fosse rejeitada por ser insuficiente e por ter prescrito. Uma audiência sobre o assunto será realizada na próxima aparição do ator no tribunal, marcada para o dia 19 de outubro.

A prisão de Masterson aconteceu após uma investigação de três anos que resultou num raro processo contra um astro de Hollywood na era #MeToo. Apesar de dezenas de investigações, a maioria não resultou em nenhuma acusação, devido à falta de evidências ou por prescrição pela passagem de muito tempo.

Mas o caso é muito anterior ao escândalo de Harvey Weinstein que originou o #MeToo. As primeiras denúncias contra o ator foram encaminhadas para a polícia no começo da década passada. Segundo o site Huffington Post, as autoridades não puderam agir na época devido à interferência da igreja da Cientologia, da qual o ator é adepto.

As mulheres que o acusavam também eram integrantes da igreja, que tem como regra proibir colaboração com a polícia.

De acordo com o relato do site, a instituição mobilizou 50 seguidores para darem testemunhos escritos favoráveis a Masterson e contrários às acusadoras. Além disso, o arquivo com os depoimentos e acusações formais desapareceu misteriosamente no começo do processo, fazendo com que a promotoria tivesse que recomeçar todo o caso do zero. Com isso, o caso só foi reaberto em 2017, após "evidências incriminadoras" terem sido recebidas pela promotoria.

Quatro mulheres teriam tomado coragem para ir adiante com a denúncia após a atriz Leah Remini (série "King of Queens") expor na TV abusos supostamente cometidos por integrantes da Igreja da Cientologia. O caso de Masterson apareceu na série que ela apresenta na TV paga americana - e a própria Remini compareceu à corte para acompanhar o julgamento nesta sexta. Uma das denúncias, porém, não foi levada adiante pela promotoria por ter prescrito.

Masterson sempre negou veementemente todas as acusações. Mas após as acusações se tornarem públicas, ele foi demitido pela Netflix da série "The Ranch", que co-estrelava com Ashton Kutcher.

O vice-promotor distrital Reinhold Mueller, da Divisão de Crimes Sexuais, que está processando o caso, disse que todos os supostos crimes atuais ocorreram na casa do ator, entre 2001 e 2003.

Se condenado, Masterson pode enfrentar uma possível sentença máxima de 45 anos de prisão.

Veja também:

Carol Francischini treina na varanda de sua casa
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade