8 eventos ao vivo

Conchata Ferrell (1943 - 2020)

13 out 2020
19h02
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Foto: Divulgação/Warner Bros. Television / Pipoca Moderna

A atriz Conchata Ferrell, que viveu a governanta Berta na série de sucesso "Two and a Half Men", morreu na segunda (12/10), aos 77 anos, de complicações após uma parada cardíaca. Ela estava internada desde julho e morreu na companhia de toda a família no Hospital Sherman Oaks, na Califórnia.

Ferrell começou a carreira em peças da trupe Circle Repertory Company, que fazia sensação no circuito off-off-Broadway no começo dos anos 1970. Por seu papel de Gertrude Blum na peça "The Sea Horse", ela venceu três prêmios de prestígio: Drama Desk, Theatre World e Obie Awards, como Melhor Atriz. E chamou atenção do famoso produtor Norman Lear, que adaptou outra peça estrelada pela atriz, "Hot L Baltimore", especialmente para lançá-la na TV em 1975.

A atração durou só 13 episódios, mas lhe abriu as portas de Hollywood, levando-a ao oscarizado drama "Rede de Intrigas" (1976), enquanto participava de outras séries de Lear, como "Good Times" e "One Day at a Time".

Em 1979, ela estrelou "Heartland", seu principal trabalho no cinema, vivendo uma mãe viúva que vai trabalhar como empregada doméstica num rancho isolado no começo do século 20. O filme do diretor Richard Pearce venceu o Urso de Ouro no Festival de Berlim.

Ela também teve papel de destaque em dois filmes estrelados por Julia Roberts, a comédia romântica "Três Mulheres, Três Amores" (Mystic Pizza, 1988) e "Erin Brockovich" (2000), além de ter trabalhado em "Edward Mãos de Tesoura" (1990), "Amor à Queima Roupa" (1993), "Entre o Céu e a Terra" (1993), "Freeway - Sem Saída" (1996), "Meus Queridos Presidentes" (1996), "K-Pax: O Caminho da Luz" (2001), "A Herança de Mr. Deeds" (2002) e feito dezenas de participações especiais em séries clássicas.

Entre os papéis televisivos mais longos, incluem-se aparições recorrentes em "As Aventuras de B.J." (entre 1979 e 1981), "Plantão Médico"/"ER" (1984-1985) e "L.A. Law" (1988-1992). Pelo trabalho nesta última, foi indicada ao Emmy de Melhor Atriz Coadjuvante.

Claro, nenhum desses papéis teve a popularidade de seu desempenho como Berta, a governanta do folgado Charlie Sheen, do atrapalhado Jon Cryer e, posteriormente, do alheio Ashton Kutcher em "Two and a Half Men". Ela apareceu em 212 episódios das 12 temporadas da atração, de 2003 a 2015, recebendo duas indicações ao Emmy (em 2005 e 2007) de Melhor Atriz Coadjuvante em Série de Comédia.

Após o fim da série, Ferrell estrelou dois filmes de Natal - incluindo o terrir "Krampus: O Terror do Natal" (2015) - e reencontrou Kutcher num papel recorrente em "O Rancho" (The Ranch), na Netflix.

Além de atuar, ela também deu aulas de interpretação televisiva na UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles) por vários anos.

"Ela era uma linda humana", disse Jon Cryer, co-estrela de "Two and a Half Men", no Twitter. "O exterior rude de Berta foi uma invenção dos roteiristas. O calor e a vulnerabilidade de Chatty eram seus verdadeiros pontos fortes. Estou chorando pela mulher de que vou sentir falta e pela alegria que ela trouxe a tantas pessoas", completou, citando o apelido da atriz.

Charlie Sheen acrescentou: "Um amor absoluto, uma profissional consumada, uma amiga genuína. Uma perda chocante e dolorosa. Berta, sua arrumação da casa era um pouco suspeita, mas sua arrumação de 'pessoas' era perfeita".

Veja também:

Carol Francischini treina na varanda de sua casa
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade