2 eventos ao vivo

Google retira jogo que simulava ataques de Israel em Gaza

4 ago 2014
21h28
atualizado às 21h34
  • separator
  • 0
  • comentários

Um jogo para celular que simula ataques israelenses contra a Faixa de Gaza e que convida os usuários a "soltar bombas e evitar a morte de civis" foi retirado da loja de aplicativos do Google, disse um porta-voz da empresa nesta segunda-feira, depois que o assunto provocou uma reação pública. Bomb Gaza (Bombardeie Gaza), desenvolvido pela PlayFTW e ainda disponível como aplicativo no Facebook, simula o atual conflito entre Israel e o grupo islâmico Hamas, que domina o território palestino. Jogadores lançam bombas de um avião de caça, driblando mísseis de combatentes do Hamas em máscaras pretas e verdes.

"Nós removemos aplicativos do Google Play que violam nossas políticas", disse um porta-voz do Google, confirmando que o jogo tinha sido removido da loja de aplicativos. A empresa não especificou qual política o jogo havia violado. O Google Play tem regras que proíbem conteúdo relacionado a discurso de ódio, assédio moral e violência e permite que os usuários denunciem se o aplicativo é abusivo.

O jogo provocou comentários indignados na página de opinião na loja do Google, assim como no Facebook. O programa foi baixado cerca de mil vezes desde que foi lançado em 29 de julho, de acordo com o jornal britânico The Guardian. "Vocês me dão nojo", escreveu Saj Ishaq na página pública da PlayFTW no Facebook.

O Facebook não respondeu imediatamente aos pedidos para comentar, e a empresa PlayFTW não pôde ser contatada de imediato. "Por favor, tire isso da loja Play. É ofensivo e estou realmente triste que o Google permitiu isso. Se este jogo não for removido, vou começar um boicote ao Google", escreveu o usuário Oma Al na página de opiniões sobre o jogo, de acordo com o The Guardian.

Israel lançou uma ofensiva militar em 8 de julho na Faixa de Gaza em resposta ao aumento dos disparos de foguetes do grupo militante islâmico Hamas. Autoridades de Gaza dizem que quase 1,9 mil palestinos, a maioria civis, morreram e que cerca de 3 mil casas foram destruídas ou danificadas desde o início da guerra. 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade