0

História de Maurício de Sousa vai chegar aos cinemas como filme live-action

Inspirado pela autobiografia 'Maurício - A História Que Não Está no Gibi', o diretor Pedro Vasconcelos é quem vai narrar a trajetória do pai da 'Turma da Mônica'

16 out 2019
14h08
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A vida de Maurício de Sousa está prestes a virar filme. O diretorPedro Vasconcelos, de Fala Sério, Mãe!, é quem vai comandar o live-action sobre a vida do pai de Bidu e daTurma da Mônica. A produção será inspirada em Maurício - A História Que Não Está no Gibi, autobiografia lançada em 2017 e que homenageia os 60 anos de carreira de um dos maiores cartunistas do Brasil.

Visando emocionar quem assistir, a trama deve fazer um longo passeio pela história de Maurício, indo desde a infância humilde em Mogi das Cruzes, quando ele descobriu a paixão pelos quadrinhos após encontrar um gibi em uma lata de lixo, até os dias atuais, passando pela criação da Maurício de Sousa Produções, um de seus maiores trunfos comerciais.

Nesse meio tempo, o longa deve mostrar onde o cartunista se inspirou para criar seus mais famosos personagens, além de narrar algumas passagens específicas de sua vida, como a época em que atuou como repórter policial no extinto Jornal Folha da Manhã, enquanto ainda tentava emplacar dentro do periódico sua carreira de desenhista - que começou com a criação das tirinhas de Bidu e Franjinha para a Folha da Tarde, pertencente ao mesmo grupo.

O diretor Pedro Vasconcelos decidiu adaptar o filme após ficar tocado pela autobiografia de Maurício de Sousa
O diretor Pedro Vasconcelos decidiu adaptar o filme após ficar tocado pela autobiografia de Maurício de Sousa
Foto: Palavra!/ Divulgação / Estadão

"Ele se alfabetizou pelos gibis, com a ajuda da mãe, e lia tudo que chegava aqui naquela época: Mandrake, Flash Gordon, Spirit, Pato Donald. Logo começou a rabiscar caricaturas. Aos 13, começou a vender seus desenhos, em dípticos, na barbearia do pai - que era barbeiro, mas poeta por vocação. Na escola, depois de fazer uma caricatura de um professor de matemática, ele foi perseguido por ele e acabou repetindo três anos seguidos", conta o diretor Pedro Vasconcelos em comunicado à imprensa.

Sob a produção de Tuinho Schwartz e com o apoio da Boa Ideia Entretenimento, o longa-metragem será rodado tanto no interior quanto na capital de São Paulo, e promete encantar brasileiros de todas as gerações. As datas de produção e de lançamento ainda não foram divulgadas.

Veja também:

Umbrella: a história de um guarda-chuva que emociona
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade