PUBLICIDADE

Vai-Vai e Colorado do Brás são rebaixadas no Carnaval de São Paulo

Em ano de retorno à elite, escola com mais títulos fica em último lugar na apuração

26 abr 2022 - 19h40
(atualizado às 19h47)
Ver comentários
Publicidade
Integrante da Vai-Vai desfile no Sambódromo Anhembi, zona norte de São Paulo
Integrante da Vai-Vai desfile no Sambódromo Anhembi, zona norte de São Paulo
Foto: ESDRAS MARTINS/PERA PHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚD

Com as piores pontuações, as escolas de samba Colorado do Brás e Vai-Vai foram rebaixadas e disputarão o grupo de acesso do Carnaval de São Paulo em 2023. 

Maior vencedora do Carnaval paulistano, com 15 títulos no Grupo Especial, a Vai-Vai não tem vivido a sua melhor fase. Em 2019, a escola do Bixiga caiu pela primeira vez em 89 anos de história. Em 2020, foi campeã no grupo especial, mas seu retorno à elite nesse ano não agradou muito os jurados. 

Trouxe para a avenida uma homenagem aos povos africanos com o enredo "Sankofa! Volte e pegue, Vai-Vai". Como explica o carnavalesco Chico Spinosa, Sankofa é um ideograma com origem em provérbios africanos de um pássaro com a cabeça voltada para trás, que representa a "volta ao passado para adquirir conhecimento para a construção de um futuro melhor".

O desfile também marcou a estreia de Veronica Bolani como rainha de bateria, posto que foi ocupado por Camila Silva por 10 anos. Já a apresentadora Carla Prata brilhou muito como madrinha da bateria. 

Já a Colorado foi impactada por uma punição por causa de um integrante que usou uma camiseta com nome de grife. Com isso, a escola começou a apuração já com uma desvantagem de 0,5. ponto. 

Neste ano, a escola da região central fez uma homenagem a "Carolina, a cinderela negra do Canindé",  em referência a escritora Carolina Maria de Jesus, uma mulher preta que catava papelão para viver até lançar seu best seller 'Quarto de Despejo: Diário de uma favelada'. 

A Colorado deu um show de críticas sociais e de representatividade com a participação e o brilho de Camila Prins, a primeira rainha de bateria trans do Carnaval de São Paulo. 

Fonte: Redação Terra
Publicidade
Publicidade