PUBLICIDADE

Pare de querer buscar a felicidade: não é assim que se faz

Opinião sobre o livro “It’s not about you”, de Tom Rath.

9 dez 2021 07h00
ver comentários
Publicidade
Life is not about you or me... Sabia?
Life is not about you or me... Sabia?
Foto: Ryan McGuire / Pixabay

Não busque a sua felicidade.

Um dos grupos do WhatsApp mais importantes da minha vida é da minha turma de faculdade, formandos da turma de 1978 do Instituto de Física da USP.

São pessoas nascidas no final dos anos 50 que viveram a adolescência num mundo que ainda sonhava com o poder da paz, do amor, com o fim da guerra e todos esses ideais hippies de cores desbotadas que vemos nos documentários de hoje. O grupo tem bobagens como todos os outros, mas o ritmo é mais tranquilo, os conteúdos são curadorias de pequenas maravilhas e o carinho tem o tamanho de amizades que duram mais de quarenta anos.

Ontem uma amiga do grupo me mandou um link de um podcast, um talk show famoso ( que eu não conhecia) que entrevista um rabino muito sábio. O rabino recomendou um livro que, segundo ele, mudou sua vida. Fiquei interessada e curiosa. Em seguida, minha amiga, gentilmente me enviou o livro de presente pelo email da Amazon direto para eu baixar no Kindle.

O livro, escrito por Tom Rath, tem umas 30 páginas e abre com uma porrada já na introdução:

- "Life is not about you.

It's about what you do for others."

Respirei fundo e segui:

- "The faster you are able to get over yourself, the more you can do for the people who matter most".

Céticos julgarão o livro por essas duas frases, acreditando serem capazes de prever tudo o que virá dizendo: "ah, entendi, mais um livrinho de autoajuda". Pois o livro fala exatamente sobre tudo o que não é 'auto', não é 'about you' e da bobagem que é viver em busca de uma felicidade individual.

Porque como Tom aprendeu com seu avô Don, todos vamos morrer um dia e, com nossa partida, partirá nossa felicidade. A magia acontece com a felicidade que você promove para os outros e os outros nos outros e é disso que a eternidade é feitoa.

Tom conta também sobre sua doença incurável, seu prognóstico de vida curta, a forma como lidou com tudo isso. Fala também de seu trabalho, de como deixou um cargo importante na empresa familiar (o famoso Instituto Gallup) para encontrar sua verdadeira vocação. Aliás, seu genial avô Don foi o criador de um sistema que permite que as pessoas encontrem seus talentos.

Li o livro devagar, em silêncio, sem estímulos, como quem saboreia um doce pequeno que sabemos logo vai acabar. O texto certamente tem coisas que todos nós já lemos, já pensamos, mas a forma como ele escreve contém uma delicadeza a mais, porque não tem um tom de palestrinha, nem ele se acha dono da verdade; a gente tem vontade de ligar pro Tom e perguntar como ele está hoje, se está bem, como tem lidado com o diagnóstico.

Não sei se mudou minha vida, mas me fez muito bem. A ideia do 'get over youself' é muito potente. Ninguém mais aguenta a hipocrisia, a competição, o egoísmo, o ódio, o excesso de autopublicação e autopromoção. Talvez seja uma boa hora para a gente 'get over ourselves'. Porque, você sabe, Life is not about you or me, mas sobre a felicidade que podemos promover nesse mundo.

(*) Rosana Hermann é Escritora e Roteirista, Física e Jornalista. Mentora em Criatividade e Palestrante (inglês/português). Ela é @rosana no Twitter, Instagram e Gmail.

 

Homework Homework
Publicidade
Publicidade