PUBLICIDADE

'Amor, Sublime Amor': saiba tudo sobre a nova versão

Releitura do clássico, dirigida por Steven Spielberg, estreia em 09 de dezembro nos cinemas

2 dez 2021 10h59
ver comentários
Publicidade

No dia 9 de dezembro estreia nos cinemas brasileiros 'Amor, Sublime Amor', releitura do icônico filme de 1961 e do musical da Broadway de 1957. Dirigido por Steven Spielberg, o longa se passa na Nova York de 1957 e explora o amor proibido entre Tony (Ansel Elgort) e María (Rachel Zagler), e a rivalidade entre os Jets e os Sharks, dois grupos de adolescentes com diferentes passados.

Nova versão de 'Amor, Sublime Amor' chega em dezembro
Nova versão de 'Amor, Sublime Amor' chega em dezembro
Foto: Divulgação

Confira, abaixo, tudo o que você precisa saber sobre a nova versão desse clássico!

As origens do musical

O musical 'Amor, Sublime Amor' é mais do que apenas um filme clássico e uma produção histórica e de referência da Broadway. É um símbolo cultural americano, amado por um grande público internacional e que já ganhou diversos revivals, tanto profissionalmente quanto em produções amadoras em países do mundo inteiro.

Criado por quatro indiscutíveis gênios – o diretor e coreógrafo Jerome Robbins, o compositor Leonard Bernstein, o letrista Stephen Sondheim e o dramaturgo Arthur Laurents –, o espetáculo estreou na Broadway em 26 de setembro de 1957, no Winter Garden Theater, e teve 732 apresentações.

Já o filme de Robert Wise e Jerome Robbins, de 1961, foi um sucesso monumental. Ele venceu em dez categorias do Oscar®, incluindo a de Melhor Direção para Robbins e Wise, Melhor Atuação para Rita Moreno e George Chakiris, além de outras categorias como Fotografia, Edição, entre outras.

Releitura: Expertise Spielberg

O filme é dirigido por ninguém menos que o aclamado cineasta Steven Spielberg, responsável por clássicos como 'Tubarão', 'E.T – O Extraterrestre', 'Jurassic Park', a franquia 'Indiana Jones' e muitos outros.

De acordo com Spielberg, 'Amor, Sublime Amor' foi um filme “assustador” de se fazer. “É muito intimidante pegar uma obra-prima e fazê-la através de um olhar e sensibilidades diferentes, sem comprometer a integridade do que é comumente considerado a melhor música já composta para o teatro”, afirmou o diretor. “Mas acredito que excelentes histórias devem ser contadas e recontadas ao longo dos anos, em parte para poder refletir diferentes perspectivas e períodos na obra”.

Ele complementa: “O risco deste empreendimento não foi despercebido por nenhum de nós. Mas todos os envolvidos entraram neste projeto com amor e respeito enormes, que beiravam a reverência pelo espetáculo e, obviamente, por seus lendários criadores. Mas também sabíamos que tínhamos que fazer um filme para a nossa época e fazê-lo com uma compreensão contemporânea e com os valores contemporâneos que assumimos”.

O diretor Steven Spielberg e a atriz Rita Moreno no set
O diretor Steven Spielberg e a atriz Rita Moreno no set
Foto: Divulgação

O cineasta acredita que, não importa o quanto o mundo tenha mudado, as lições e insights que o filme oferecem permanecem as mesmas. “É uma história que tem cativado o público por décadas porque não é somente uma história de amor, mas também é uma obra culturalmente significativa, com uma premissa central que não perdeu sua relevância ao longo do tempo: que o amor transcende o preconceito e a intolerância”.

Elenco

O elenco da nova versão de 'Amor, Sublime Amor' é um show à parte. O filme é estrelado por Rachel Zegler (interpretando María), Ansel Elgort (Tony), Ariana DeBose (Anita), David Alvarez (Bernardo), Mike Faist (Riff), Brian d’Arcy James (Policial Krupke), Corey Stoll (Tenente Schrank) e Josh Andrés Rivera (Chino).

Rita Moreno, que participou do elenco do filme de 1961 como a personagem Anita, integra o novo elenco como a personagem Valentina. A atriz, que também atua como produtora executiva no longa, é uma das três artistas no mundo a serem homenageadas com um Oscar®, Emmy®, GRAMMY® e Tony®.

Cindy Tolan, que liderou o casting, afirma: “Steven me disse que a única maneira de fazermos este filme era com a escolha adequada do elenco, e ele e Kristie me deram tudo o que eu precisava para fazê-la desta maneira. Eu também tinha um incrível grupo me apoiando, especialmente meu sócio Nicholas Petrovich, que trabalhou muito próximo a mim”.

“Senti que a minha função era muito clara: todos os Sharks, Maria, Anita, Bernardo e Chino devem ser latinos”, diz Tolan. “E eles também devem ter os três pilares, ou seja, devem saber cantar, dançar e atuar. Na verdade, os quatro pilares, porque há uma quarta dimensão: a câmera deve amá-los”

Fonte: Equipe portal
Publicidade
Publicidade