PUBLICIDADE

Extremistas usam Telegram para incentivar incidentes contra torres de energia

Grupo extremista disse que é responsável por ataques em canal monitorado pelo Núcleo, mas autoria ainda não foi confirmada

10 jan 2023 - 19h46
(atualizado às 20h22)
Compartilhar
Exibir comentários

Um canal extremista no Telegram, monitorado pelo Núcleo, discutiu promover mais incidentes como aqueles realizados a contra torres de energia em Rondônia e no Paraná, na madrugada desta terça-feira (10.jan).

Foto: Núcleo Jornalismo

Não é possível avaliar a credibilidade dessas ameaças, especialmente por serem feitas por perfis anônimos, mas após os ataques contra a democracia em 8.jan.2023, que resultaram na depredação do Congresso, do STF e do Palácio do Planalto, é importante trazer à tona informações desse tipo de monitoramento.

💡
Em julho de 2016, autoridades brasileiras prenderam dez pessoas suspeitas de planejarem atentados durante as Olimpíadas utilizando o Telegram, primeira prisão sob a nova lei antiterrorismo brasileira.

Para não promover esses grupos e indivíduos, o Núcleo optou por borrar os prints de tela tirados do canal, de orientação neonazista. Também compartilhamos o canal e as mensagens (já apagadas) com pesquisadores em extrema-direita que possuem contato com a Polícia Federal, para que o caso possa ser investigado.

O Ministério de Minas e Energia (MME) montou um gabinete de crise para investigar os incidentes às torres e refinarias ao redor do Brasil. As ocorrências ainda estão sendo avaliadas e não podem ser chamadas de atentados, reportou o jornal Folha de S. Paulo.

MONITORAMENTO. Às 15h48 de 10.jan.23, o canalencaminhou uma mensagem em inglês de um outro canal neonazista com mais de 10 mil inscritos noticiando o ataque.

Nos comentários da mensagem original, usuários alertam para não compartilharem planos de ataque pelo Telegram, e aconselham o uso do navegador Tor, um software livre que garante comunicação anônima e privada.

Monitoramento do Núcleo
Monitoramento do Núcleo
Foto: Núcleo Jornalismo

Após compartilhar a notícia, o canal assume a responsabilidade pelo ataque (provavelmente mentira).

Poucos minutos depois, a mensagem foi deletada e membros pediram para que o canal fosse tornado privado. O Núcleo capturou a mensagem.

Monitoramento do Núcleo
Monitoramento do Núcleo
Foto: Núcleo Jornalismo

DENÚNCIAS PRÉVIAS. Em novembro, o Núcleo noticiou que este mesmo canal neonazista estaria compartilhando receitas de bombas caseiras. A reportagem também denunciou que canais de extremistas brasileiros estariam compartilhando mensagens semelhantes e em defesa de supremacistas brancos.

Reportagem Sofia Schurig
Edição Sérgio Spagnuolo
Núcleo Jornalismo
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade