PUBLICIDADE

O lago que reapareceu no Vale da Morte, um dos lugares mais secos da Terra

O antigo lago na Bacia Badwater, na Califórnia, reapareceu depois de evaporar há milhares de anos.

24 fev 2024 - 13h03
(atualizado às 13h07)
Compartilhar
Exibir comentários
O antigo lago da bacia Badwater reapareceu depois de ter evaporado
O antigo lago da bacia Badwater reapareceu depois de ter evaporado
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Depois de chuvas recordes, os amantes do remo se reuniram no Vale da Morte, na Califórnia, nos Estados Unidos, para aproveitar uma oportunidade única.

No dia 19 de fevereiro, antes do amanhecer, Patrick Donnelly foi a Badwater Basin, no Parque Nacional do Vale da Morte, na Califórnia, para tirar algumas fotos.

Sendo o ponto mais baixo da América do Norte, a bacia é tipicamente uma enorme extensão surreal de salinas secas.

Mas naquele dia, o que Donnelly viu ao se aproximar o deixou sem fôlego.

"Eu disse a mim mesmo: 'Meu Deus, isso é incrível'", disse Donnelly, diretor da Grande Bacia do Centro para Diversidade Biológica.

"O Vale da Morte é o lugar mais quente e seco da América do Norte e, de repente, agora tem literalmente bilhões de litros de água. Tudo mudou completamente."

As origens do lago

A Bacia Badwater, localizada no fundo do Vale da Morte, é o remanescente de um antigo lago que existiu há dezenas de milhares de anos.

Normalmente, ele recebe em média apenas 5 centímetros de chuva por ano. Mas nos últimos seis meses, o fundo do vale recebeu quase 12 centímetros.

De acordo com o Serviço Nacional de Parques, a maior parte dessa chuva veio de dois eventos: 5 centímetros em 20 de agosto e outros 4,5 centímetros durante os "rios voadores" que recentemente encharcaram grande parte da Califórnia.

A chuva geralmente evapora muito rapidamente no Vale da Morte, mas os bilhões de litros de água que Donnelly testemunhou formam agora um lago com quase 10 quilômetros de comprimento e cinco quilômetros de largura, conhecido como Lago Manly.

Imagens de satélite de julho de 2023 (esquerda), agosto de 2023 e 14 de fevereiro de 2024
Imagens de satélite de julho de 2023 (esquerda), agosto de 2023 e 14 de fevereiro de 2024
Foto: NASA / BBC News Brasil

Uma série impressionante de imagens de satélite capturadas pela Nasa, contrastando a bacia do deserto antes e depois das chuvas recentes, mostra uma massa de água azul cercada por quilômetros de montanhas áridas e áridas e dunas desérticas.

Com as chuvas constantes que encharcam a área, o lago cresceu até atingir 30 centímetros de profundidade, o que significa que há água suficiente para uma atividade que parece completamente incompatível com a famosa paisagem seca do Vale da Morte: a canoagem.

"Outro dia, assim que chegamos, demos meia-volta e regressamos à cidade o mais rápido que pudemos para comprar caiaques infláveis", disse Donnelly.

A viagem de Badwater Basin até a cidade mais próxima, Pahrump, Nevada, é de 130 km.

Lá Donnelly comprou um caiaque inflável e dirigiu até Manly Lake para passar as próximas horas aproveitando a rara oportunidade de andar de caiaque que acabara de surgir no meio do deserto.

"Estava perfeitamente claro e calmo", disse Donnelly. "O sol brilhava na água. Era incrivelmente lindo."

A volta do lago

O antigo lago da Bacia Badwater, localizado a mais de 85 metros abaixo do nível do mar, evaporou há dezenas de milhares de anos, muito antes dos caçadores de ouro chegarem à Califórnia em 1849.

Após o desaparecimento do lago pré-histórico, a paisagem acumulou sedimentos e concentrou depósitos de sal, dando origem ao padrão único de polígonos geométricos de sal da bacia.

Visitantes com caiaques
Visitantes com caiaques
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

A última vez que a bacia foi preenchida com água assim foi há cerca de duas décadas, de acordo com Elyscia Letterman, guarda-florestal do Serviço Nacional de Parques.

"Temos fotografias do lago de 2004 ou 2005, quando o vimos parecido com isso", explicou.

Mas duas décadas é uma longa espera pelo reaparecimento de um lago extinto numa paisagem arrasada, onde se sabe que as temperaturas chegam aos 49ºC à sombra.

Os turistas não perderam tempo e estão aproveitando ao máximo o evento extraordinário.

Além da canoagem, os visitantes montaram cadeiras de praia e crianças em trajes de banho mergulharam no novo lago.

Chegou para ficar?

Quanto tempo durará toda essa atividade relacionada à água no Vale da Morte? Infelizmente, a experiência provavelmente será curta.

"Ele está evaporando rapidamente", disse Letterman. "Não temos certeza de quanto tempo vai durar, mas está desaparecendo."

A profundidade do lago só pode permitir a prática de caiaque por mais algumas semanas, acrescentou Letterman.

Os visitantes aproveitam a rara oportunidade de caminhar sobre as águas em um dos lugares mais secos do planeta
Os visitantes aproveitam a rara oportunidade de caminhar sobre as águas em um dos lugares mais secos do planeta
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Mas mesmo depois de o lago se tornar demasiado raso para a prática de caiaque, pelo menos uma pequena quantidade de água provavelmente permanecerá na bacia, o suficiente para continuar oferecendo aos fotógrafos e visitantes algumas imagens únicas, pelo menos até abril.

"É muito bonito, principalmente ao nascer e pôr do sol, quando você vê os belos reflexos das montanhas que cercam o lago", explicou Letterman.

"Há neve no topo das montanhas. O reflexo das montanhas nevadas na água é muito bonito. Nem parece que você está no Vale da Morte."

Quanto a Donnelly, seja por alguns dias ou semanas, ele pretende aproveitar ao máximo a presença do lago no Vale da Morte.

Ele planeja voltar para lá esta semana e também no fim de semana.

"É algo que quero vivenciar o máximo que puder", disse ele. Afinal, "provavelmente é algo que acontece uma vez na vida."

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade