Mais de 1.000 cursos com certificado por menos de R$0,70 por dia.

Butantan pode atrasar vacinas e culpa governo federal

Falta de insumo farmacêutico ativo (IFA) importado da China influencia no cumprimento do cronograma

6 mai 2021 08h54
| atualizado às 09h48
Compartilhar

O Instituto Butantan pode atrasar entregas da CoronaVac, vacina contra covid-19 do laboratório chinês Sinovac, ao Ministério da Saúde por falta de insumo farmacêutico ativo (IFA) importado da China e o presidente da instituição, Dimas Covas, responsabilizou a postura do governo do presidente Jair Bolsonaro com o país asiático pelo atraso na chegada do insumo.

Presidente do Insttuto Butantan, Dimas Covas, em São Paulo 10/11/2020 REUTERS/Amanda Perobelli
Foto: Reuters

Em entrevista coletiva para marcar a entrega de uma remessa de 1 milhão de doses da vacina ao Programa Nacional de Imunização (PNI) do ministério, Covas afirmou que o atraso na chegada do IFA não se deve a problemas na produção da Sinovac, que envia a matéria-prima ao Brasil para o Butantan envasar doses da vacina, mas à demora na autorização de envio pelo governo chinês.

Publicidade

Na quarta, Bolsonaro insinuou em discurso que o novo coronavírus, causador da covid-19, pode ter sido criado pela China como parte de uma "guerra bacteriológica", nas palavras do presidente. Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse em uma reunião, que ele não sabia que estava sendo gravada, que o coronavírus foi criado na China.

Uma investigação da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontou que a origem mais provável do novo coronavírus foi um mercado em Wuhan, na China, e que o vírus pode ter passado de um morcego para um outro animal que o transmitiu a humanos.

Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Está gostando da notícia? Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações