Tire a ideia do papel e crie hoje o site para o seu negócio com até 35% de desconto

Ministro da Defesa condiciona eleição ao voto impresso

General Braga Netto faz ameaça e diz que disposição das Forças Armadas é que pleito nao aconteça sem voto auditável

22 jul 2021 10h02
| atualizado às 10h03
Compartilhar

O general Walter Braga Netto utilizou um interlocutor político para fazer uma ameaça e condicionar a realização das eleições de 2022 ao voto impreso. De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, o ministro da Defesa fez chegar ao presidente da Câmara, Arthur Lira, que o pleito não acontece sem o voto impresso e auditável.

Braga Netto durante evento em Brasília 25/3/2020 REUTERS/Ueslei Marcelino
Foto: Reuters

O recado do general foi feito no dia 8 de julho. Na ocasião, ele estava acompanhado dos chefes militares do Exército, da Marinha e da Aeronáutica. 

Publicidade

No mesmo dia, Bolsonaro tornou a mesma ameaça pública em conversa com os apoiadores em Brasília. "Ou fazemos elições limpas no Brasil ou não temos eleições", declarou o presidente.

Segundo o jornal, Lira viu a situação com "muita preocupação" e procurou Bolsonaro após considerar o aviso de Braga Netto como uma ameaça de golpe.  O chefe do Executivo ouviu do presidente da Câmara que ele apoiaria o governo até o final, mesmo com uma eventual derrota nas urnas, mas que não apoiaria nenhum ato de ruptura institucional.

Bolsonaro tentou acalmar Lira e afirmou que nunca defendeu. O presidente voltou a repetir o discurso que respeita "as quatras linhas da Constituição".

Ainda de acordo com relatos do Estadão, o clima é de tensão entre os que souberam da ameaça. O projeto de voto impresso está em tramitação em uma Comissão Especial da Câmara. 

Publicidade
Fonte: Equipe portal
Está gostando da notícia? Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações