Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

Evento sobre bicentenário da Independência do Brasil só tem uma pessoa negra e nenhuma indígena

Promovido pelo Ministério das Relações Exteriores, seminário internacional busca trabalhar as perspectivas historiográficas, culturas políticas e assuntos relacionados ao marco; fontes ouvidas pela Alma Preta Jornalismo denunciam a falta de representatividade entre os 32 debatedores

20 mai 2022 07h10
| atualizado em 21/5/2022 às 16h50
Compartilhar
Imagem do monumento à Independência do Brasil, localizado em São Paulo. Em frente ao monumento, está erguida a bandeira do país.
Imagem do monumento à Independência do Brasil, localizado em São Paulo. Em frente ao monumento, está erguida a bandeira do país.
Foto: Imagem: João Carlos Teodoro Damasceno/ Wikimedia Commons / Alma Preta

O seminário Memória e futuro - 200 anos da Independência do Brasil acontece durante esta semana - dias 16 a 20 de maio -  e é composto por mesas de debates abordando temas como perspectivas historiográficas, culturas políticas e formas de estado nacional. Entretanto, de acordo com levantamento da Alma Preta Jornalismo, baseado em heteroidentificação, das 32 pessoas divulgadas nas mesas do evento, há apenas uma pessoa negra e nenhuma indígena.

O evento internacional é promovido pelo Ministério das Relações Exteriores, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), e a Fundação Alexandre de Gusmão (Funag), com o apoio da Academia Portuguesa da História. Na programação divulgada, são disponibilizadas 10 mesas temáticas sobre assuntos relacionados aos dois séculos de história do Brasil.

Publicidade

Fontes ouvidas pela reportagem da área de relações internacionais, e que preferiram manter seus nomes em anonimato, denunciam que, apesar de a iniciativa ser interessante e promover uma reflexão sobre memória e futuro, falta, na programação do evento, representatividade tanto de pessoas quanto de temas e reflexões que expressem os dilemas, conflitos e contradições da sociedade já no seu nascedouro.

Também pontuam que considerando a sociedade multi-étnica, cultural e racial existente, "a ausência ou sub-representatividade de intelectuais negros e indígenas que pudessem trazer a perspectiva desses grupos no momento histórico discutido parece o sintoma de um país que apaga parte de suas memórias e que não tem um planejamento de futuro que seja capaz de refletir sobre a diversidade, as violências e contradições da sociedade brasileira".

Nesse mesmo entendimento, a historiadora e psicanalista Mariléa de Almeida comenta que realizar um seminário internacional sobre os 200 anos da Independência, em que intelectuais negros ou negras e indígenas estão sub-representados ou ausentes, expressa que as organizações responsáveis pelo evento estão alheias as transformações que a sociedade brasileira tem demandado.

"Conforme aprendemos com Lélia Gonzalez, o racismo faz parte da neurose cultural brasileira. É ainda mais sintomático quando verificamos que o evento pretende discutir memória e futuro", destaca a historiadora.

Publicidade

A professora de História Lucia Helena Xavier, também mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná, ressalta que existem muitos estudos e pesquisadores negros e indígenas que trazem outras perspectivas sobre a história brasileira para além da escravização.

"O apagamento dessas populações representa um silenciamento de outras perspectivas e possibilidades de se entender os processos históricos que constituíram a sociedade brasileira", comenta a professora.

Já o historiador Delton Aparecido Felipe, diretor de Relações Internacionais da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), comenta que é fundamental ressaltar que é inquestionável a qualidade dos debatedores e palestrantes do evento, muitos com renome internacional e com uma produção relevante para a historiografia brasileira.

Entretanto, o que se questiona é a ausência de representatividade em um seminário que se propõe ser internacional, considerando que o processo de construção da identidade nacional brasileira foi feito por meio de assimetrias de poder em que as populações negras e os povos indígenas até hoje lidam com as consequências das formas da construção da nação brasileira.

Publicidade

"Quando o seminário faz essa composição que nega a representatividade do Brasil na sua formação, tanto dos povos negros como dos povos originários, ou marginaliza essa representação, a gente pode pensar qual é a imagem que o Ministério de Relações Exteriores e o IHGB está querendo passar sobre o Brasil e sobre a sua independência", destaca o historiador.

O diretor de Relações Internacionais da ABPN também ressalta que a falta de representatividade recai em um descumprimento do que é garantido pelo Estatuto da Igualdade Racial, quando aborda a necessidade de representatividade da diversidade étnica nas esferas pública e privada.

Leia mais: Dos 90 diplomatas brasileiros em África, apenas um é negro

Posicionamento da comissão organizadora do evento

Publicidade

A Alma Preta Jornalismo questionou o Ministério das Relações Exteriores, o IHGB e a Funag sobre a pouca representatividade negra e a ausência de debatedores indígenas nas mesas de discussão. Em resposta, o IHGB confirmou a participação de uma intelectual negra no seminário, a professora Mônica Lima, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

A professora compôs a sessão intitulada "Conexões Atlânticas", acompanhada dos professores José Maia Bezerra Neto, da Universidade Federal do Pará (UFPA) e Crislayne Alfagali, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) em discussão dedicada a pensar a história das relações Brasil-África e da escravidão no Brasil no contexto da Independência.

Também pontuam que no âmbito do projeto Acervo Digital Angola-Brasil, do IHGB e que será abordado no evento, foi realizado o inventário da coleção de documentos de África existentes no Arquivo do IHGB e que reuniu 108 códices digitalizados do Arquivo Nacional de Angola, num acordo de cooperação técnica e que se tornou um centro de referência no Brasil para o estudo das conexões atlânticas entre Brasil e Angola.

"O estudo da história e cultura afro-brasileira e africana tem sido uma pauta valorizada em tempos recentes no IHGB, que conta em seus quadros sociais com autores conhecidos nesse campo, como os historiadores Alberto da Costa e Silva, Eduardo Silva e Nei Lopes, que honram a tradição da casa em manter em seus quadros intelectuais negros de várias gerações, tendo o antigo sócio André Rebouças como inspiração", responde o Instituto.

Publicidade

A comissão organizadora do evento também confirma que o seminário em realização não conta com a participação de pesquisadores indígenas e nem tem na programação prevista uma sessão específica sobre a questão indígena no tempo da Independência, ainda que esta será mencionada.

"Considerando a atualidade e o desenvolvimento da pesquisa acadêmica sobre a história indígena e levando em conta o compromisso do IHGB em acolher as inovações da historiografia nacional, a instituição acompanha com interesse a produção acadêmica no campo e a carreira de profissionais da história indígenas que valorizam a historiografia brasileira", finalizam.

Racismo e desigualdade social dificultam a entrada de diplomatas negros no Itamaraty

Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações