PUBLICIDADE

Turista anônimo devolve peça furtada em Pompeia há 50 anos

Bilhete deixado junto com imagem pedia desculpas pelo ato

3 fev 2021 12h32
| atualizado às 12h59
ver comentários
Publicidade

Um turista arrependido decidiu devolver uma peça furtada do sítio arqueológico de Pompeia, na Itália, informou o diretor-geral interino da Superintendência Arqueológica, Massimo Ossana, nesta quarta-feira (3).

Turista usa máscara contra a covid-19 entre as ruas das escavações arqueológicas de Pompéia no primeiro dia da reabertura
Turista usa máscara contra a covid-19 entre as ruas das escavações arqueológicas de Pompéia no primeiro dia da reabertura
Foto: Reuters

Em uma foto publicada nas redes sociais, ele postou a imagem do fragmento de rosto de uma mulher, feito de argila, que representa uma parte da decoração dos tetos das domus – as residências das famílias ricas - na época da erupção do Vesúvio em 79 d.C.

"Há 50 anos, eu retirei esse fragmento de uma casa de Pompeia. Eu me envergonho e o devolvo ao proprietário. Desculpa!", diz o bilhete anônimo enviado junto com a peça. Por sua vez, Ossana fez um breve comentário na postagem. "Às vezes, retornam. Por correio, quase semanalmente", escreveu.

A peça tem cerca de 10 centímetros e agora compõe o enorme acervo de peças furtadas do sítio e que estão na Superintendência Arqueológica de Pompeia. Porém, de onde ela foi retirada exatamente e como aconteceu o ato continuarão sendo mistérios.

À época, o monitoramento no sítio arqueológico era muito menor e também não havia uma cultura de importância dos itens de um lugar tão histórico. Atualmente, o local conta com cerca de 400 câmeras de monitoramento.

No ano passado, uma história curiosa sobre um outro furto chamou bastante atenção. Uma turista canadense, identificada apenas como Nicole, enviou uma caixa com artefatos que furtou do sítio em 2005 para o dono de uma agência turística da cidade.

A carta dizia que as peças traziam "azar" e que era para "levá-las de volta". "Eu era jovem e estúpida, queria ter um pedaço da história que ninguém pudesse ter. Na verdade, não pensei o que estava recebendo. Estou agora com 36 anos e tive câncer de mama duas vezes [...]. Minha família e eu tivemos problemas financeiros. Somos boas pessoas e não quero passar essa maldição para meus pais e filhos", dizia o texto. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade