PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

O que fazer no Parque das Neblinas, em Mogi das Cruzes (SP)

O parque fica a 115 km da capital paulista [...]

12 abr 2024 - 08h45
(atualizado em 13/4/2024 às 09h48)
Compartilhar
Exibir comentários

Nem parece que a capital nervosa da maior cidade da América do Sul está logo ali, a 115 quilômetros de distância.

O Parque das Neblinas fica entre os municípios de Mogi das Cruzes e Bertioga, e abriga uma área de sete mil hectares de Mata Atlântica com opções de atividades de ecoturismo para todos os perfis de visitantes, como trilhas autoguiadas e canoagem no Rio Itatinga.

Essa antiga área devastada pela produção de carvão é uma das maiores reservas privadas de Mata Atlântica, além de funcionar como zona de amortecimento do Parque Estadual da Serra do Mar.

Parque das Neblinas
Parque das Neblinas
Foto: Eduardo Vessoni / Viagem em Pauta

Parque das Neblinas

Antigo terreno de eucaliptos para a indústria siderúrgica, nas décadas de 1940 e 1950, o parque hoje é mantido pelo Instituto Ecofuturo, uma organização sem fins lucrativos, fundada em 1999 pela Suzano e responsável pela gestão do Parque das Neblinas.

Mas o melhor da história começa em 2004, quando o parque foi inaugurado, após um longo trabalho de manejo de eucaliptos, conservação de nascentes e criação de uma reserva ambiental. Atualmente, o Neblinas tem se destacado pelas atividades de ecoturismo com uma variedade de trilhas bem estruturadas, em rotas que vão de inocentes 360 metros a 11 quilômetros de extensão.

O local é também um grande laboratório ao ar livre para estratégias de restauração e conservação ambiental, com programas de educação ambiental, pesquisa científica, manejo sustentável e envolvimento comunitário.

VEJA VÍDEO

O que fazer no Parque das Neblinas

As atividades mais populares são os 20 quilômetros de trilhas, com opções de roteiros autoguiados e monitorados, e graus de dificuldades fácil e média.

Mas o parque oferece também outras atividades, entre elas, cicloturismo, canoagem no Rio Itatinga e área para camping, em módulos em meio à floresta.

Cicloturismo

R$ 50 por pessoa

Com bicicleta própria ou alugada no local, esse roteiro de 10 quilômetros pode ser combinado com banhos no Rio Itatinga e visita à Cachoeira da Pedra Riscada.

Foto: Reprodução / Viagem em Pauta

Canoagem

R$ 125

São 530 nascentes, mas é no Rio Itatinga que acontece a cenográfica canoagem nas águas tranquilas desse rio que nasce dentro do Parque das Neblinas, corta a Serra do Mar e segue em direção a Bertioga, município no litoral paulista.

A canoagem em caiaques infláveis é uma atividade de cerca de um quilômetro que passa por áreas isoladas e pequenas corredeiras, muitas vezes chamadas de cachoeiras.

Foto: Eduardo Vessoni / Viagem em Pauta

Trilhas autoguiadas

Custam R$ 50 por pessoa e podem ser feitas aos sábados e domingos, das 8h30 às 17h, com agendamento prévio obrigatório.

Entre as opções, tem a Trilha do Brejo (360 metros de extensão e nível fácil), Trilha do Inox (590 m / fácil), Trilha Lava Pés (650 m / fácil) e Trilha da Cachoeira (990 m / fácil).

Durante a visita do Viagem em Pauta, conhecemos a Trilha das Antas (1.950 metros), uma caminhada autoguiada e de baixa dificuldade, interligada por pontes suspensas que dão acesso a outras trilhas.

"É super estruturada com degraus, corrimãos e passarela suspensa, o principal atrativo da trilha", explica a guia Priscila  Rodrigues Cruz, quem garante que esse é o trecho com mais vestígios do animal que dá nome à trilha.

Por R$ 75 por pessoa, essas mesmas trilhas fáceis podem ser feitas o acompanhamento de um monitor.

Trilha das Antas
Trilha das Antas
Foto: Eduardo Vessoni / Viagem em Pauta

Trilhas monitoradas

Custam R$ 75 por pessoa e podem ser feitas de terça a domingo, das 8h30 às 17h, com agendamento prévio obrigatório.

A Trilha da Pedra Riscada tem 10 quilômetros de extensão (ida e volta) e grau médio de dificuldade, com passagem pelo antigo carreador da época do cultivo de eucaliptos na área e pela Cachoeira da Pedra Riscada, cujo nome é uma referência às pequenas veias de quartzo derretido entre a rocha, com uma pequena queda d'água e um remanso para nadar.

Já a Trilha do Mirante começa em uma antiga estrada na Mata Atlântica nativa, com muitas samambaias e micro-orquídeas, chegando até a represa do rio Itatinga, de onde é possível avistar o litoral. São 11 quilômetros de caminhada de nível médio.

Viagem em Pauta
Compartilhar
Publicidade
Publicidade