Conheça o menor museu do mundo; designer é brasileiro

  • separator

Davis Museum, em Barcelona, na Catalunha, na Espanha, é o menor museu do mundo: tem apenas 20 centímetros cúbicos de extensão. Obra do artista hispânico-brasileiro Davis Lisboa, ele está situado no "show-room" do apartamento do seu idealizador, um designer publicitário que mora em na capital da Catalunha.

» Veja fotos do museu
» Siga o Vida e Estilo no Twitter

Parte do projeto que Davis Lisboa está desenvolvendo
Parte do projeto que Davis Lisboa está desenvolvendo
Foto: Albert Olivé / Divulgação

» vc repórter: mande fotos e notícias
» Chat: tecle sobre a notícia

O museu miniaturista foi fundado em 2009 e figura nos guias oficiais de museus de Barcelona. "É um projeto sem fins lucrativos que organiza e produz exposições tanto virtuais como físicas, fomenta a pesquisa e promove exposições de arte contemporânea, com a sua própria mostra de arte permanente", disse Davis Lisboa.

Sua missão é "a seleção, apresentação, estudo, difusão e preservação da arte contemporânea de artistas emergentes e de renome de todo o mundo, assim como exposições itinerantes em outros centros culturais para gerar o debate, o pensamento e a reflexão", afirmou Davis Lisboa, que já possui um acervo de 106 obras.

Idealizado como uma urna de votação ao contrário, "porque cada obra que o artista doa ao museu é como um voto e, como a urna é minha, cada voto é uma nova coleção para o museu", a condição indispensável para expor as obras, além da qualidade, é que caibam neste receptáculo de metacrilato e vinil, de 20 x 20 x 20 centímetros.

"Transformei uma urna de votação em arte, em algo sagrado. Nela, já expuseram 15 artistas com obras internacionais de qualidade, como as três tabuletas atuais do artista catalão Antoni Socías", assegura Davis Lisboa. Após 12 anos de estudos de Belas Artes na Escola Sant Jordi, em Barcelona, Davis Lisboa se inspirou nos artistas Marcel Duchamp e Robert Fillou, para a criação do museu. "Saltei da cadeira, porque constatei que esses artistas eram os precursores do que depois seria meu Davis Museum, um espaço de acordo com o século 21, um museu aplicável às redes sociais, ao Facebook ".

Davis Museum em Bristol
Embora a crise tenha afetado os patrocínios que este peculiar museu poderia ter obtido durante os dois últimos anos, seu criador está satisfeito que o Centro Cultural de Bristol tenha entrado em contato com ele para que leve para lá seu museu, de 20 a 24 de setembro de 2011, com 36 obras a serem selecionadas.

A meta é lançar um projeto social tanto físico como virtual, uma obra de arte coletiva com peças de pequeno formato doadas pelos artistas. O museu pretende ser um projeto sem fins lucrativos, se a situação econômica permitir isso, "porque as obras dos artistas não estão à venda, não somos uma galeria de arte, mas um museu, e um museu nunca vende", afirmou Davis Lisboa.

Quanto aos benefícios que os artistas obtêm por suas doações, Lisboa aponta que "será a visibilidade da obra na rede global da arte e, aproximadamente, seis mil envios a pessoas relacionadas com o mundo das artes visuais".

Uma ilha de resistência
Para os artistas interessados em expor no Davis Museum, seu criador assegura que são seguidos os critérios de qualidade de arte em todas as suas disciplinas, com a única limitação dos 20 centímetros cúbicos de medida e com certa preferência para os que já têm obras expostas em algum um museu, embora isso não seja decisivo. Os interessados podem escrever para Davis Lisboa pelo e-mail info@davismuseum.com.

O lema deste peculiar museu é que "o mercado é um tsunami que traga tudo o que encontra pela frente e o DM é uma ilha de resistência".

Uma ilha de resistência que pode ser contemplada por enquanto no próprio apartamento do seu criador, mas que também teve sua sede no Second Life, em exposições itinerantes em centros culturais e que se transferirá ao Centro Cultural de Bristol ao completar dois anos e nove meses, quando alcançará sua maioridade.

Veja também:

EFE   
publicidade