PUBLICIDADE

Veja passeios imperdíveis e principais roubadas do Rio de Janeiro

3 mai 2013 14h32
| atualizado em 29/11/2013 às 16h55
ver comentários
Publicidade

O Rio de Janeiro merece sem contestação o seu apelido de Cidade Maravilhosa. Não é por acaso que atrai milhões de turistas vindos do mundo inteiro ano após ano. De cara para a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, o Rio está cada vez mais bonito e preparado para receber seus visitantes. Confira 5 passeios imperdíveis e 5 dicas para evitar roubadas no Rio de Janeiro.

Passeios
Floresta da Tijuca: acostumados a viver em sintonia com a natureza, os cariocas tem numerosos pontos para curtir as belezas da região. Uma delas é a Floresta da Tijuca, terceira maior área verde urbana do Brasil, com mais de 3.800 hectares de densa vegetação, morros, trilhas e grutas.

<p>O Cristo Redentor é o principal símbolo da cidade</p>
O Cristo Redentor é o principal símbolo da cidade
Foto: Ascom/Riotur

Cristo Redentor: no topo do Corcovado, a 700 metros acima do nível do mar, o Cristo Redentor protege o Rio de Janeiro com seus braços abertos num verdadeiro símbolo da cidade. Ao pé do monumento, os visitantes encontram uma vista panorâmica estonteante da Cidade Maravilhosa e seu litoral.

Lapa: reduto boêmio do Rio de Janeiro, situado no centro da cidade, a Lapa tem bares e casas de shows ao som de samba e MPB. Famoso por seus arcos e sua escadaria colorida de azulejos, a escadaria Selarón, o bairro é um ponto de passagem obrigatório na cidade tanto de dia quanto após o pôr-do-sol, quando sua vida noturna ferve em endereços míticos como o Circo Voador ou a Fundição Progresso.

Copacabana: mais mítica das praias cariocas, Copacabana simboliza como poucos lugares a essência do Rio de Janeiro ao longo de seus 2,6 km de extensão. Nos dias de sol da cidade, a  praia fica lotada de turistas, locais tomando sol ou jogando frescobol  e vendedores de salgados, bebidas, cangas e biquínis.

Jardim Botânico: inaugurado em 1808 por Dom João VI, o belo Jardim Botânico do Rio de Janeiro conta com 83 hectares de bosques e 54 hectares de áreas cultivadas. Incrível espaço verde no coração da Cidade Maravilhosa, o Jardim tem mais de 40 mil plantas de quase sete mil espécies diferentes.

Roubadas
Objetos de valor: os turistas do mundo inteiro recebem o aviso antes de ir para o Rio de Janeiro: cuidado com seus pertences, e não exponha câmeras e joias sem prudência nem necessidade, especialmente na praia após o pôr do sol ou muito cedo, quando ainda há pouca gente na rua.

<p>Apesar das belezas noturnas da cidade, é necessário ter cuidado dobrado</p>
Apesar das belezas noturnas da cidade, é necessário ter cuidado dobrado
Foto: Getty Images
Centro à noite: a região do centro do Rio de Janeiro fica um pouco perigosa durante a noite. É melhor evitar a área quando escurece ou ir acompanhado de um carioca ou de um táxi seguro, sem bobear em ruas vazias, na hora de curtir a vida noturna da Lapa.

Lugares turísticos em momentos de pico: o Rio de Janeiro é uma das cidades que mais recebem turistas no mundo inteiro. E as filas para pontos como o Pão de Açúcar e o Corcovado podem ficar insuportáveis nos dias em que há mais gente. Tente evitar finais de semana do verão, especialmente de manhã, e prefira visitar os lugares pouco antes de fecharem.

Taxistas desonestos: como em muitos destinos turísticos do planeta, taxistas desonestos estão sempre de olho em turistas desavisados no Rio de Janeiro. Informe-se bem sobre os trajetos que você pretende fazer e os valores a serem pagos previamente, para não acabar pagando a mais no caminho entre o aeroporto e seu hotel. Quando você conhecer um taxista honesto, pegue seu cartão e ligue para ele quando precisar pegar um táxi.

Viajar durante o Carnaval e o Réveillon: o Carnaval e o Réveillon são as datas em que o Rio de Janeiro fica mais lotado de turistas. Os preços sobem absurdamente e a cidade fica agitada e barulhenta. Para conhecer as belezas da Cidade Maravilhosa economizando seu dinheiro e com um ambiente mais calmo, fuja destas datas. 

Fonte: Andrés Bruzzone Comunicação Andrés Bruzzone Comunicação
Publicidade
Publicidade