PUBLICIDADE

Rinite alérgica: o que fazer para aliviar as crises?

Saiba quando é hora de procurar uma emergência e veja dicas para amenizar sintomas

22 mar 2023 - 20h28
(atualizado em 3/4/2023 às 18h20)
Compartilhar
Exibir comentários
Qual a melhor forma de tratar a rinite alérgica?
Qual a melhor forma de tratar a rinite alérgica?
Foto: iStock

Com a mudança de estação e a esperada queda na temperatura, quem sofre com rinite já está em alerta. Isso porque a condição costuma se manifestar mais frequentemente nos períodos mais frios, como é o caso do outono.

Os sintomas de rinite alérgica mais comuns são:

  • espirros
  • coriza
  • congestão nasal
  • coceira no nariz, garganta, olhos e ouvidos
  • diminuição do olfato

Nesses casos, como explica a otorrinolaringologista Brunna Paulino Maldini Penna, o tratamento convencional prevê o uso de antialérgicos, descongestionantes e corticoides, medicamentos normalmente indicados para pacientes com rinite. A lavagem nasal com soro fisiológico também é destacada como uma importante medida não apenas no tratamento, mas também na prevenção dos quadros.

Mas e quando o caso é mais grave? Segundo a médica, o primeiro sinal de que se deve procurar atendimento médico é a persistência dos sintomas, de modo que prejudique a qualidade de vida da pessoa.

"É importante que se observe os sinais de alerta, como falta de ar, tosse persistente (com ou sem catarro) e febre. Ressalto que a rinite alérgica apresenta estreita relação com a asma. Estudos mostram que 80% dos pacientes asmáticos têm rinite alérgica, cuja dificuldade de controle não só é maior que a da própria asma como também interfere no controle desta. Portanto, para tratar a asma, é fundamental o controle da rinite", destaca a especialista.

Em quadros de difícil controle do problema, ela recomenda a prática de imunoterapias alérgenas específicas por meio de vacinas. Brunna acrescenta que, recentemente, imunobiológicos também têm atuado nesse tratamento.

Quais as consequências de um quadro de rinite mal tratada?

Além de asma, como já ressaltado pela médica, a rinite pode desencadear problemas como conjuntivite alérgica, rinossinusite, otite média com efusão (caracterizada por líquido na orelha) e as alterações do desenvolvimento craniofacial dos respiradores bucais em crianças, e apneia e hipopneia obstrutiva do sono em crianças e adultos.

"Deve ser considerado também os impactos psicossociais no caso de crianças e adolescentes, como problemas no aprendizado e na fala, dificuldade de concentração, socialização e atividades recreativas", acrescenta a otorrinolaringologista.

Medidas para combater a rinite alérgica

A especialista aponta a higienização do nariz com soro fisiológico 0,9% como uma medida eficaz para aliviar os sintomas da crise. “Esta medida tem a capacidade de aliviar a irritação tecidual, umedecer a mucosa e auxiliar na remoção de secreções e das partículas alergênicas causadoras da rinite alérgica”.

Outra ação que pode ser adotada é a inalação, também com soro. É uma prática que vai ajudar na hidratação da mucosa.

Além disso, medidas de controle ambiental são consideradas fundamentais para prevenir as crises. Alguns exemplos são:

  • manter ambientes arejados
  • evitar uso de tapetes e carpetes
  • fazer limpeza diária da casa com pano úmido
  • evitar contato com fumaça de cigarro e perfume com odores fortes.
Fonte: Redação Terra Você
Compartilhar
Publicidade
Publicidade