0

Estudo mostra preconceito contra obesos no trabalho

  • separator

Gordura é uma questão de preconceito, afirma o site do jornal britânico The Guardian, em reportagem publicada nesta quinta-feira (3). Um estudo realizado pelas universidades de Manchester e Monash, de Melbourne, e publicado em abril no International Journal of Obesity, constatou níveis significativos de discriminação contra as pessoas gordas no trabalho, como a de que mulheres acima do peso têm mais chance de serem descriminadas quando se candidatam a uma vaga e ainda recebem melhores salários do que colegas magros quando estão começando.

Segundo o The Guardian, os dados não são nenhuma surpresa, já que a ideia da sociedade atual sobre gordura estaria ligada a indulgência, pobreza, desrespeito pela dignidade pessoal e desleixo. Além disso, seria tida como causa de doenças como câncer, ataques cardíacos e derrames. A ciência, porém, comprova o contrário. Em um estudo de 2005, conduzido por Katherine Flegal, do Centro de Controle de Doenças, nos EUA, descobriram que as pessoas na categoria de "acima do peso", ou com IMC entre 25 e 30, demonstram uma menor taxa de morte do que os que estão no peso "normal". Ser magro não é bom, nem ser gordo é ruim. Peso estável é o que evita problemas de saúde.

Para a publicação, ter vergonha da gordura é "um esporte novo e vicioso". Jovens acima do peso na Geórgia têm tido suas fotos coladas em outdoors, por exemplo, como se fosse uma imagem de detento. Não é de se estranhar que os gordos são raramente incluídos em filmes ou na TV. Isso é refletido na busca por emprego, como constatou a pesquisa. A ideia de um corpo saudável é tão distorcida que os gordos são vistos como menos dignos, menos capazes e menos empregáveis, segundo a publicação, o que reforça a ideia de que gordura não é uma questão de saúde, é uma questão de preconceito.

Estudo mostra como o preconceito afeta a vida dos obesos
Estudo mostra como o preconceito afeta a vida dos obesos
Foto: Getty Images

Veja também:

De andador, veterano de guerra de 99 anos arrecada milhões para saúde pública britânica
Fonte: Terra
publicidade