PUBLICIDADE

Entenda o impacto da prática de ioga na memória de idosos

Em estudo, quem se dedicou à atividade apresentou menos queixas de lapsos de memória meses depois; mecanismos neurobiológicos e fisiológicos podem explicar o benefício

3 abr 2024 - 14h40
(atualizado às 16h10)
Compartilhar
Exibir comentários
Casal de idosos praticando ioga
Casal de idosos praticando ioga
Foto: Ridofranz/iStock

A prática de uma modalidade de ioga chamada kundalini - que combina posturas, exercícios de respiração, mantras e meditação - pode trazer benefícios para a memória de idosos, mostra um novo estudo publicado na Nature, feito por cientistas da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos.

Para chegar a essa conclusão, os autores compararam os efeitos desse estilo de ioga com técnicas de treinamento de memória em 79 mulheres na pós-menopausa. Todas tinham condições que aumentavam o risco cardíaco, como histórico de infarto, diabetes, hipertensão (conhecidos fatores de risco também para a demência), e haviam reportado problemas de memória e declínio cognitivo.

As voluntárias foram divididas em dois grupos, sendo que 40 foram encaminhadas para a chamada kundalini ioga. Elas tiveram uma aula semanal com um instrutor e orientações gravadas para praticar todos os dias sozinhas.

As demais tiveram um treinamento de estímulo da memória que consistia em tarefas diárias com técnicas de associação verbal, estratégias organizacionais, como categorizar itens de uma lista, e dicas de associação visual para lembrar faces e nomes, entre outras.

Antes de começar o programa, as pacientes foram submetidas a testes de cognição e memória. Depois, foram avaliadas ao final de 12 semanas e após seis meses. Os pesquisadores também colheram amostras de sangue para dosar as substâncias inflamatórias associadas ao declínio cognitivo.

Todas apresentaram ganhos na memória e nenhuma teve declínio cognitivo. No entanto, o grupo que praticou a ioga também teve melhoras nas taxas de marcadores inflamatórios e, após seis meses, reportou menos queixas nos lapsos de memória do que as demais mulheres.

Para Maria Ester Azevedo Massola, coordenadora da Equipe de Medicina Integrativa do Hospital Israelita Albert Einstein, a prática de ioga exerce efeitos positivos na memória por diversos mecanismos neurobiológicos e fisiológicos.

"Um dos motivos é a redução do estresse. Ao promover o relaxamento, a prática reduz a produção de substâncias inflamatórias desencadeadas pelo estresse", explica a especialista, que ressalta que a inflamação crônica está associada a condições neurodegenerativas, como o Alzheimer.

A prática também promove o estímulo cognitivo, já que as posturas testam a coordenação, o equilíbrio e a concentração. "Esses desafios podem estimular o cérebro e promover a plasticidade cerebral, contribuindo para a melhoria da memória e outras funções cognitivas", diz Massola. A especialista lembra que esses benefícios também podem ser obtidos com outros tipos de ioga, como o hatha ioga, que é a mais comum no Brasil.

"Esses achados sugerem que a ioga pode ser uma intervenção valiosa, não invasiva e não medicamentosa, eficiente em termos de custo para promover a saúde cerebral e cognitiva em idosos. A prática regular pode oferecer benefícios físicos e mentais, ajudando a manter a função cognitiva e a qualidade de vida à medida que as pessoas envelhecem", diz a especialista do Einstein.

Cuidados antes de começar

Especialmente os mais velhos devem observar alguns cuidados e precauções para garantir uma prática segura. São elas:

  • Consulte um profissional de saúde antes de iniciar qualquer programa de exercícios, especialmente se tiver condições médicas preexistentes, lesões, limitações físicas ou se estiver tomando medicamentos;
  • Escolha o tipo de ioga adequado para você. Há diferentes estilos e alguns podem ser mais intensos do que outros. Para iniciantes e idosos, é recomendável começar com estilos mais suaves e acessíveis, como hatha ioga e ioga restaurativa;
  • Comunique-se com o instrutor: ao participar das aulas, certifique-se de informá-lo sobre quaisquer condições médicas, lesões ou preocupação que você tenha para que ele possa adaptar as posturas e os exercícios a suas necessidades e limitações;
  • Respeite seus limites, não force o corpo além do que é confortável. Preste atenção nas sensações de dor, desconforto e tensão e ajuste as posturas conforme o necessário. Lembre-se que o objetivo é promover o relaxamento e o bem-estar. Não é para sentir dor;
  • Use o equipamento adequado: certifique-se de usar roupas confortáveis, bem como o tapete antiderrapante, para garantir a estabilidade e a segurança ao executar as posturas.

A prática não é indicada para todos

Embora seja considerada segura para a maioria das pessoas, em alguns casos a prática de ioga não é recomendada. Por exemplo:

  • Lesões agudas ou recentes
  • Problemas cardíacos não controlados
  • Pressão alta não controlada
  • Glaucoma não controlado
  • Labirintite
Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade