PUBLICIDADE

Nem todo aneurisma é cerebral; conheça outros tipos

Tabagismo está entre os principais fatores de risco para o aneurisma, que pode ocorrer em outras partes do corpo além do cérebro

21 jan 2023 - 08h03
(atualizado em 23/1/2023 às 17h23)
Compartilhar
Exibir comentários
Nem todo aneurisma é cerebral; conheça os outros tipos
Nem todo aneurisma é cerebral; conheça os outros tipos
Foto: Shutterstock / Saúde em Dia

Quando falamos em aneurisma, a primeira associação que fazemos geralmente é com os problemas nas artérias intracranianas - o aneurisma cerebral. No entanto, o episódio não ocorre apenas no cérebro, mas também na aorta torácica e aorta abdominal. Esse último, inclusive, está entre os de maior incidência na população mundial. Porém, boa parte das pessoas desconhece a condição, em razão da ausência dos sintomas.

A aorta é a principal artéria do corpo e é responsável pela distribuição de sangue para todos os órgãos e membros. Dela, se originam os vasos circulatórios que irrigam o cérebro, os órgãos do abdome, braços e pernas. O aneurisma de aorta acontece quando há uma dilatação desse vaso maior que 50% do seu diâmetro normal e com o passar do tempo, ele pode se romper causando uma grande hemorragia interna, levando à morte em até 90% dos casos. 

Fatores de risco 

O médico e especialista em cirurgia vascular, angiorradiologia e cirurgia endovascular, Dr. Marco Lourenço, fala sobre os principais fatores que impulsionam o desenvolvimento da doença. "O tabagismo, principalmente em conjunto com a hipertensão arterial e histórico familiar de aneurisma de aorta elevam as probabilidades. Quem tem o hábito de fumar, tem um risco em torno de sete vezes a mais de desenvolver a doença", conta o profissional.

A relação da doença com o hábito de fumar não está relacionada apenas ao tabaco. O Dr. Marco Lourenço faz um importante alerta, principalmente para os que utilizam cigarros eletrônicos e acham que eles são inofensivos à saúde. "Não existe um trabalho que aponte essa correlação com a doença, mas é sabido que a exposição à nicotina, mesmo sendo utilizada por meio dos cigarros eletrônicos, pode influenciar no desenvolvimento e aparecimento de aneurisma de aorta", destaca o especialista.

Outros fatores como sedentarismo, obesidade e colesterol alto não predispõem diretamente o desenvolvimento do aneurisma de aorta. No entanto, eles aceleram o envelhecimento da circulação, levando a diversos outros problemas. 

Enquanto nos homens o aneurisma de aorta surge geralmente depois dos 60 anos, nas mulheres ocorre mais tarde, após 70 anos. Mas, apesar de tardio, o risco de ruptura no caso delas é maior. "Após a ruptura, os pacientes que conseguem chegar ao hospital acabam tendo um risco de 50% de falecer durante a cirurgia", informa o especialista.

Diagnóstico e tratamento do aneurisma

Para identificar a doença de forma precoce, é importante realizar avaliações periódicas com um cirurgião vascular, principalmente os grupos com fatores elevados de risco mencionados anteriormente. Se o aneurisma de aorta for detectado e não houver necessidade de uma intervenção naquele momento do diagnóstico, é necessário ter um acompanhamento a cada 6 meses para realizar uma ecografia vascular (Ecodoppler de aorta).

Não existe um medicamento específico para a doença. Após o diagnóstico positivo, o tratamento vai depender dos sintomas relacionados ao aneurisma, além de seu formato e diâmetro. Pode ser realizada uma cirurgia tradicional, ou por métodos menos invasivos, a chamada cirurgia endovascular, com implante de endopróteses.

"Hoje em dia os tratamentos dos aneurismas de aorta são muito menos arriscados, com técnicas seguras e com recuperação mais rápida para as atividades do dia a dia. Isto se dá ao fato de a tecnologia ter melhorado muito os dispositivos que corrigem os aneurismas", explica o médico.

Mesmo com a correção do aneurisma pelos processos cirúrgicos, é preciso manter uma vigilância do tratamento para verificar se não há a ocorrência de algum problema com a endoprótese, ou prótese, e se outro aneurisma não poderá se desenvolver. Isso porque, quem tem aneurisma em um local, tem uma predisposição para desenvolver outros aneurismas em outras regiões do corpo.

Saúde em Dia
Compartilhar
Publicidade
Publicidade