PUBLICIDADE

Episódios cardiovasculares na juventude: médico comenta os riscos

Dois casos de mulheres jovens que morreram em decorrência de episódios cardiovasculares repercutiram recentemente. Saiba os fatores de risco

13 dez 2022 - 08h07
(atualizado às 17h37)
Compartilhar
Exibir comentários
Episódios cardiovasculares na juventude: médico comenta os riscos
Episódios cardiovasculares na juventude: médico comenta os riscos
Foto: Shutterstock / Saúde em Dia

Recentemente, duas jovens aparentemente saudáveis morreram em decorrência de episódios cardiovasculares - uma no Equador e outra no Brasil. A equatoriana Betsy Dayana Jaramillo Ramírez, 28, teve um mal súbito quando fazia agachamentos na academia. De acordo com o Daily Mail, ela foi vítima de um infarto fulminante. Em São Paulo, a jornalista e ativista antirracismo Natália Romualdo teve uma parada cardiorrespiratória. Ela chegou a ser levada para o hospital, mas não resistiu.

Até então, não se tem relato de doenças prévias em nenhum dos casos. O médico cardiologista do Hospital Albert Sabin, Dr. Ausonius Sawczuk, explica que várias causas podem provocar morte em jovens, principalmente as doenças congênitas cardíacas. É o caso, por exemplo, da obstrução de via de saída do ventrículo esquerdo, da miocardiopatia assimétrica e da arritmia. Para identificar essas condições, o especialista recomenda a realização de um ecocardiograma ou eletrocardiograma (ECG).

Os diferentes episódios cardiovasculares

Betsy teve um mal súbito enquanto fazia agachamentos na academia. O médico explica que o episódio se caracteriza por tudo aquilo que foge da normalidade do paciente. "Muitas vezes é transitório e muitas vezes pode se perpetuar, se for, por exemplo, associado a um acidente vascular cerebral", afirma. Em todo caso, é imprescindível investigar a causa do mal estar. No caso da equatoriana, ela teve um infarto fulminante, que é a cessação do fluxo de sangue para determinada área, órgão ou tecido - geralmente, o alvo é o coração. 

Já no caso de Natália, a jornalista brasileira, a causa da morte foi uma parada cardiorrespiratória. O especialista conta que esse quadro é  decorrência de um evento qualquer, como o próprio infarto, por exemplo. Pode ser também a consequência de uma arritmia, choque elétrico, trauma ou qualquer coisa externa. Alterações metabólicas também podem causar a parada, como medicações ou ingestão de determinadas substâncias em doses inadequadas.

A causa está nas vacinas?

Quando ocorrem episódios do tipo com pessoas jovens e saudáveis, é comum a população tentar buscar explicações. No entanto, o cardiologista alerta que seria uma desonestidade relacionar os acontecimentos aos efeitos adversos das vacinas. "Para afirmar que o evento cardíaco foi devido a vacina, é necessário descartar todos os outros possíveis eventos que possam ter dado arritmia ou infarto. Então, não é tão simples e tão fácil apontar isso", destaca.

Atenção com a saúde

As mulheres têm mais tendência em algumas faixas etárias a sofrerem episódios cardiovasculares, aponta o médico. Principalmente as mais jovens e magras estão suscetíveis a ocorrência de um mal súbito por conta do calor, por exemplo, ou de eventos menstruais. Nesses casos, elas podem ter um fluxo maior e sentir dor, o que pode gerar um mal estar. Além disso, algumas doenças podem estar mais relacionadas à presença do gene feminino. Mas via de regra, os eventos como o mal súbito devem ser sempre investigados, ressalta o profissional. 

"Por isso, é tão importante uma avaliação prévia em todos os pacientes. Durante a infância passa-se no pediatra, quando você atinge a idade adulta, é interessante fazer uma primeira consulta com um clínico e com um cardiologista para fazer um check up. Nesta consulta ,a gente já consegue dar o diagnóstico diversas doenças que potencialmente podem causar eventos arrítmicos, cardíacos, morte súbita súbita ou mal súbito", finaliza o médico.

Saúde em Dia
Compartilhar
Publicidade
Publicidade