PUBLICIDADE

Infarto: fatores de risco diferem entre homens e mulheres

Estudo aponta que os fatores de risco para infarto são diferentes entre homens e mulheres. Descoberta pode impactar formas de prevenção

22 nov 2022 - 08h07
(atualizado às 20h10)
Compartilhar
Exibir comentários
Infarto: fatores de risco diferem entre homens e mulheres
Infarto: fatores de risco diferem entre homens e mulheres
Foto: Shutterstock / Saúde em Dia

Mais de 73 mil pessoas morreram de infarto no Brasil em 2021, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia. O Hospital do Coração (Hcor) aponta que boa parte dessas mortes poderiam ser evitadas reduzindo a exposição dos pacientes aos diferentes fatores de risco.

Um estudo publicado pela JAMA Network Open revelou que homens e mulheres têm diferentes fatores de risco para o ataque cardíaco. A pesquisa analisou dados de 2.264 pacientes com 55 anos ou menos que já sofreram um infarto, comparando-os com um número igual de adultos pareados por idade, sexo e raça que nunca tiveram um episódio do tipo.

Os pesquisadores descobriram que sete fatores de risco coletivamente representavam a maior parte do risco de infarto em mulheres e homens. Esses fatores foram diabetes, depressão, pressão alta, tabagismo atual, histórico familiar de ataque cardíaco, baixa renda familiar e colesterol alto.

Os resultados mostraram que os principais fatores de risco para mulheres com 55 anos ou menos incluem pressão alta, diabetes, depressão e baixa renda familiar. Já para os homens, os sinais de alerta predominantes foram tabagismo atual e histórico familiar. Para o público feminino, esses dois fatores apresentaram menos risco do que a diabetes. A equipe responsável pela pesquisa afirma que suas descobertas sugerem a necessidade de estratégias específicas entre os gêneros para prevenir infartos. 

O perigo do colesterol

"Quando muito elevado, o LDL contribui para doenças cardiovasculares, que podem causar um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral. Em alguns casos, é necessário tomar estatinas (medicamentos utilizados para reduzir os níveis de colesterol), o que pode diminuir os níveis de LDL na maioria das pessoas em cerca de 30%, diminuindo substancialmente esse risco", explica o médico do esporte e especialista em medicina integrativa, Dr. Victor Lamônica.

Praticar exercícios físicos regularmente, comer alimentos mais saudáveis, alimentos ricos em fibras e probióticos e aumentar a ingestão de água são uma das formas de evitar o colesterol alto, aponta o profissional.

Exercícios físicos podem prevenir o infarto

O médico destaca que, dentre os benefícios da atividade física, está a prevenção de diversas doenças. Realizar exercícios, especialmente os aeróbicos, faz com que os processos do corpo funcionem de forma melhor, além de também auxiliar no aspecto psicológico, explica o especialista.

"O corpo humano necessita de movimento, tornando-se fundamental para a saúde praticar atividades, tanto para tratar, quanto para prevenir doenças", comenta.

Uma boa noite de sono também afasta o risco de infarto

Além disso, dormir bem também está entre as formas de prevenção. Isso porque é durante o sono que o organismo exerce as principais funções restauradoras do corpo, como o reparo dos tecidos, o crescimento muscular e a síntese de proteínas. Durante este momento, é possível repor energias e regular o metabolismo, fatores essenciais para manter corpo e mente saudáveis, explica o médico.

"Dormir bem traz inúmeros benefícios para a saúde e ajuda o organismo a combater infecções e a manter-se saudável, pois durante o sono o corpo produz proteínas extras que fazem o sistema imune ficar mais forte, principalmente em situações de estresse. Além disso, controla o apetite, melhora o humor, a memória e o raciocínio. Também facilita a oxigenação das células, melhora a atividade intelectual, entre outros benefícios", finaliza.

Saúde em Dia
Compartilhar
Publicidade
Publicidade