4 eventos ao vivo

O que é a dieta nórdica, que pode fazer bem à saúde e é recomendada pela OMS

Hábito alimentar do norte da Europa vira moda entre os adeptos de dietas de outros países e é recomendado pela Organização Mundial da Saúde.

9 mai 2018
16h30
atualizado às 17h02
  • separator
  • comentários

Certamente você já ouviu falar da dieta mediterrânea como referência de alimentação saudável. Mas você conhece a dieta nórdica?

Frutas vermelhas como morango, framboesa e amora são comuns na dieta nórdica
Frutas vermelhas como morango, framboesa e amora são comuns na dieta nórdica
Foto: Sitikka / Getty Images / BBC News Brasil

Uma revisão de estudos feita pela Organização Mundial da Saúde (OMS) comprovou as evidências de que tanto a dieta mediterrânea quanto a nórdica podem ajudar a reduzir o risco de doenças não transmissíveis como o câncer, o diabetes e os problemas cardiovasculares, frequentemente associados à obesidade.

De acordo com a OMS, as duas têm características semelhantes, mas a dieta nórdica se baseia em alimentos tradicionais do norte da Europa: Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia.

Vários países europeus têm promovido, com resultados positivos, essa dieta como modelo alimentar que traz benefícios para a saúde.

Mais peixe, nenhum azeite de oliva

A dieta nórdica se baseia no consumo destes alimentos: vegetais de folhas verdes e raízes; frutas vermelhas; frutas em geral; cereais integrais, como a cevada, a aveia ou o centeio; legumes; laticínios com baixo teor de gordura; peixes, incluindo os mais gordurosos como o salmão, a cavala ou o arenque, que podem ser consumidos várias vezes na semana.

Talvez a maior diferença dos hábitos alimentares nórdicos para a dieta mediterrânea, segundo a OMS, é que no lugar do azeite de oliva, predomina o óleo de canola.

A organização afirma que, para as populações não nórdicas, os princípios desta dieta podem ser de adaptação mais fácil do que os alimentos em si.

Em termos gerais, trata-se de promover o consumo de cereais de forma integral, frutas e vegetais, já que são excluídas as gorduras saturadas.

A OMS destaca ainda o fato de que vários estudos vincularam a dieta nórdica a uma diminuição nos fatores de risco tanto para doenças cardiovasculares quanto de diabetes, apesar de ela não ter sido tão estudada como a dieta mediterrânea.

A 'nova dieta nórdica' e uma lista de dez princípios

Em 2004, chefes de cozinha nórdicos desenvolveram uma interpretação gastronômica da dieta tradicional do norte europeu. Em um manifesto, eles a chamaram de "nova dieta nórdica".

Essa interpretação se baseia em quatro princípios essenciais: saúde, potencial gastronômico, sustentabilidade e identidade nórdica.

Esses princípios promovem o consumo de ingredientes locais, silvestres e frescos.

Em toda a região foram desenvolvidas políticas e eventos destinados a promover essa nova versão da dieta, não só do ponto de vista da saúde como também da perspectiva cultural e até mesmo turística.

Em 2012, o ministério de Alimentação, Agricultura e Pesca da Dinamarca publicou este guia geral de alimentação, utilizando o manifesto como referência e estabelecendo dez regras principais a seguir na dieta nórdica:

1. Coma mais frutas e vegetais todos os dias;

2. Coma mais produtos de cereais integrais;

3. Consuma mais alimentos do mar e dos lagos;

4. Coma carne de melhor qualidade, mas em menor quantidade;

5. Coma mais comida vinda de paisagens selvagens;

6. Coma produtos orgânicos sempre que possível;

7. Evite os aditivos na comida;

8. Coma mais pratos baseados nos alimentos mais abundantes de cada estação;

9. Coma mais comida caseira;

10. Provoque menos desperdício.

Três em um: dieta, cultura e saúde

Segundo a OMS, tanto a dieta mediterrânea quanto a dieta nórdica são exemplos de como os recursos naturais podem ser utilizados para novidades que trazem benefícios à saúde.

"A cultura gastronômica se baseia na tradição, mas, também, está aberta à mudança e à adoção de novas ideias - prova disso é o auge da dieta nórdica e das muitas variáveis da dieta mediterrânea. Elas são, ao mesmo tempo, novas e culturalmente autênticas", diz o documento divulgado pelo órgão.

"Quem desenvolve as políticas deveria alinhar, na medida do possível, os guias de nutrição ao contexto cultural local", recomenda a OMS.

Confira o guia de alimentação elaborado pelo Ministério da Saúde do Brasil.

Veja também

 

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade