PUBLICIDADE

Dedos formigando e coceira nas mãos: os sinais de túnel do carpo

A síndrome do túnel do carpo afastou mais de 24 mil pessoas do trabalho em 2023, 33,15% a mais do que em 2022. Veja os sinais da doença

12 fev 2024 - 10h01
(atualizado às 10h46)
Compartilhar
Exibir comentários

As lesões por esforço repetitivo (LER) são uma das principais causas de afastamento do trabalho. As mãos, membros com grande responsabilidade na execução de tarefas do dia a dia, acabam sendo significativamente impactadas. No ano passado, segundo o Ministério da Previdência Social, a síndrome do túnel do carpo, por exemplo, afastou 24.002 pessoas do trabalho. O total representa, 33,15% a mais do que em 2022.

O que é a síndrome do túnel do carpo

A síndrome do túnel do carpo é uma condição médica que se caracteriza pela compressão do nervo mediano no punho. Esta é a neuropatia compressiva mais frequente do membro superior, afetando principalmente mulheres acima de 40 anos. 

Dentre os sintomas mais comuns da síndrome estão:

  • Formigamento nos dedos;
  • Sensação de queimação ou coceira na mão;
  • Dificuldades em tarefas do dia a dia, como a fazer "pinça" com os dedos;
  • Dificuldades motoras, nos estágios mais severos.

"Um sintoma importante é a parestesia noturna, que é a queixa de despertar durante o sono devido ao formigamento na mão", explica o Dr. Leonardo Kurebayashi, médico ortopedista cirurgião de mão e punho. Ele destaca que essa condição interfere significativamente na qualidade do sono e no descanso adequado.

Causas

As causas tradicionalmente reconhecidas incluem espessamento do ligamento carpal transverso, tenossinovites, fraturas e doenças metabólicas, além da gestação. Porém, uma pesquisa científica publicada em dezembro de 2023 trouxe à tona a discussão sobre a influência de fatores ocupacionais e não ocupacionais na incidência da síndrome.

Segundo o estudo, longas horas de trabalho com computador, condições ergonômicas inadequadas e a falta de pausas durante a jornada de trabalho podem contribuir para o desenvolvimento da síndrome do túnel do carpo. 

Além disso, fatores como idade, sexo feminino, obesidade, tabagismo, consumo de álcool, sedentarismo e condições como diabetes e hipertensão também foram associados ao aumento do risco.

Kurebayashi salienta, no entanto, que dores no punho são resultado de uma combinação de fatores e que mais pesquisas são necessárias para isolar o impacto específico do uso do computador.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico, embora se baseie principalmente em critérios clínicos, pode exigir exames como eletroneuromiografia, radiografias, tomografia computadorizada e ressonância magnética do punho. 

Segundo o ortopedista, existem dois tipos principais de tratamento: o conservador e o cirúrgico. A escolha do tratamento, no entanto, depende de vários fatores, incluindo a fase da doença e a experiência pessoal do médico.

No início da doença, o tratamento pode envolver o uso de órteses, medicamentos e sessões de reabilitação, como fisioterapia ou terapia ocupacional.

"Em casos diagnosticados tardiamente ou quando o tratamento conservador não for eficaz, a intervenção cirúrgica poderá ser necessária. O cirurgião levará inúmeros fatores em conta para decisão de tratamento: idade do paciente, risco cirúrgico, tempo de retorno às atividades, intensidade e duração dos sintomas e, principalmente, a experiência pessoal quanto às formas de tratamento", explica o médico.

O que funciona e o que não funciona para dor nas costas? OMS dá orientações O que funciona e o que não funciona para dor nas costas? OMS dá orientações

É possível prevenir a síndrome do túnel do carpo?

Para mitigar ou prevenir os sintomas, medidas como o controle de doenças concomitantes, redução do tabagismo e do consumo de álcool, prática de atividade física regular e ajustes ergonômicos no local de trabalho são recomendadas.

"Pausas periódicas são fundamentais para aqueles que executam atividades repetitivas com os membros superiores", destaca o médico. Ele enfatiza ainda a importância da prevenção e das mudanças no estilo de vida no manejo da síndrome do túnel do carpo.

Saúde em Dia
Compartilhar
Publicidade
Publicidade