2 eventos ao vivo

Crivella antecipa feiras de adoção de animais no Rio

Prefeitura afirma que decisão de permitir volta das aulas em escolas particulares não obriga a reabertura dessas instituições

25 jul 2020
18h44
atualizado às 19h29
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

RIO - A Prefeitura do Rio de Janeiro decidiu antecipar a retomada das feiras de adoção de animais a partir deste sábado (25), justificando a medida pelo aumento do número de animais abandonados durante a pandemia do covid-19. A previsão é de que essas feiras fossem reabertas no próximo dia 31.

Filhotes de cachorro em gaiola em mercado de Yulin
22/06/2020
Humane Society International/Divulgação via REUTERS
Filhotes de cachorro em gaiola em mercado de Yulin 22/06/2020 Humane Society International/Divulgação via REUTERS
Foto: Reuters

Para estimular a adoção, a Prefeitura lançou campanhas de adoção virtuais, com cães e gatos disponibilizadas nas redes sociais da Subsecretaria de Bem Estar Animal e da Subsecretaria de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses.

"Decidimos liberar as feiras porque a adoção é uma das importantes ações de políticas públicas. Ela é uma causa muito nobre, que impacta diretamente na prevenção de riscos à saúde pública e diminui o número de abandono, que é crime", explicou o prefeito Marcelo Crivella em nota.

Para o funcionamento das feiras, os responsáveis deverão atender às restrições de distanciamento entre as pessoas e barracas, assim como as demais medidas de prevenção ao Covid-19 estabelecidas pelas Regras de Ouro, explicou.

Segundo a Prefeitura, a adoção faz parte das ações que minimizam questões de saúde pública provocadas por animais soltos nas ruas, como acidentes de trânsito, a reprodução indevida de cães e gatos, situações de maus-tratos, a proliferação de zoonoses (doenças transmitidas por animais aos homens) e até agressões a populares.

Escolas

A Prefeitura esclareceu ainda, que a decisão de permitir a volta das aulas em escolas particulares não obriga a reabertura dessas instituições,

"O decreto municipal não obriga as escolas a reabrirem, mas apenas faculta essa possibilidade para aquelas instituições que decidirem por uma possível reabertura", afirmou em nota.

Sobre a volta das creches particulares e das rede pública, a Prefeitura informou que a data de retorno é apenas uma previsão, sendo os decretos sobre flexibilização somente "estimativas". "Essas datas podem ser alteradas, conforme observação dos dados de contágio do Covid-19, parecer do comitê científico e avaliação dos setores interessados", informou.

Veja também:

Beirute: A mãe em trabalho de parto durante a explosão
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade