2 eventos ao vivo

Bolsonaro diz que Pazzuello não fica no Ministério da Saúde

Presidente não deu sinais, porém, que procura outro nome para a pasta

7 jul 2020
14h25
atualizado às 14h36
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta terça-feira (7) que o general Eduardo Pazzuello não permanecerá no cargo de ministro da Saúde, cargo que ocupa como interino.

Presidente Jair Bolsonaro e ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello
09/06/2020
REUTERS/Adriano Machado
Presidente Jair Bolsonaro e ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello 09/06/2020 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

O chefe do Planalto não deu sinais, porém, que procura outro nome para a pasta. Em plena pandemia de covid-19, o ministério está há 53 dias sem um titular. A doença já provocou 66.093 mortes no Brasil até a tarde desta terça-feira (7).

"É um nome que não vai ficar para sempre, está completando três meses como interino e já deu uma excelente contribuição para nós", afirmou Bolsonaro ao falar sobre Pazzuello em uma entrevista a emissoras de TV no Palácio da Alvorada. Na mesma ocasião, o presidente da República disse estar com o novo coronavírus.

Bolsonaro não tem dado nenhuma sinalização de que está em busca de um nome para a pasta responsável por enfrentar a pandemia. Como mostrou o Estadão, é a primeira vez desde 1953 que o ministério fica tanto tempo sem um titular.

O presidente intensificou nos últimos meses a entrega de cargos a militares. Ele confirmou, inclusive, que o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), é cotado para o Ministério da Educação, conforme o Broadcast Político antecipou. No caso da Saúde, o chefe do Executivo federal classificou o ministro interino como "ruim de imprensa", mas um "excelente gestor".

Conforme o Estadão noticiou, Pazuello é apontado por colegas de governo e secretários locais de saúde como mais influente e poderoso do que Nelson Teich, último titular da pasta, que pediu demissão em 15 de maio. As trocas começaram após a demissão de Luiz Henrique Mandetta, no no dia 16 de abril.

Veja também:

Beirute: A mãe em trabalho de parto durante a explosão
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade