PUBLICIDADE

Ansiedade de separação em pets: saiba como reconhecer os sinais

Comportamento destrutivo, vocalização excessiva e sinais de estresse corporal podem indicar que o pet está sofrendo com o quadro

15 jun 2024 - 12h57
(atualizado às 14h08)
Compartilhar
Exibir comentários

A ansiedade de separação em pets é um problema comportamental que ocorre quando o animal de estimação fica extremamente ansioso e estressado na ausência de seu tutor. Essa condição é frequentemente observada em cães, mas também pode afetar os felinos.

Ansiedade de separação afeta cães e gatos e pode gerar prejuízos para a saúde do pet
Ansiedade de separação afeta cães e gatos e pode gerar prejuízos para a saúde do pet
Foto: Shutterstock / Alto Astral

De acordo com a médica-veterinária Mariana Raposo, gerente de produtos da Avert Saúde Animal, o quadro é caracterizado por uma série de respostas físicas e comportamentais apresentadas pelo animal de estimação no momento em que o tutor se afasta. 

"Com origem multifatorial uma série de situações podem levar ao surgimento do problema, desde experiências traumáticas, como abandono ou adoção múltipla, alterações na rotina, isolamentos por longos períodos, adaptação a novos ambientes, entre outros", explica ela. 

A síndrome afeta diretamente a qualidade de vida do animal, impactando também sua saúde física. O aumento dos níveis de cortisol (hormônio do estresse) e a liberação de adrenalina causadas pela ansiedade do pet estão associados à diminuição da imunidade, taquicardia, aumento da pressão arterial e alterações gastrointestinais

Desta forma, identificar os sinais dos transtornos relacionados à separação é fundamental para garantir o bem-estar dos animais. Para isso, a profissional listou algumas pistas que podem indicar que seu pet está sofrendo com o problema:

1. Comportamento destrutivo

Além de simplesmente mastigar móveis ou arranhar portas, observe quais objetos específicos estão sendo alvo do comportamento destrutivo do pet. Muitas vezes, eles escolhem itens que têm o cheiro mais forte de seus tutores, como roupas usadas recentemente.

2. Padrões de vocalização

Preste atenção aos padrões de vocalização do animal. Latidos ou miados logo após a partida do tutor e que continuam por um período prolongado são sinais claros de ansiedade de separação em pets. Alguns animais podem até mesmo ficar silenciosos, mas isso não significa que não estejam estressados. É importante estar atento a qualquer mudança no comportamento vocal.

3. Comportamento hiperativo

Além de simplesmente mostrar-se eufórico quando o tutor volta, observe se o comportamento hiperativo é direcionado especificamente. Se o animal ignora outros membros da família ou visitantes, concentrando toda a sua excitação em você, isso pode ser um sinal de uma forte ansiedade de separação.

4. Mudanças nos padrões das necessidades fisiológicas 

Observe os padrões de micção e defecação do pet. Se o animal só apresenta problemas para realizar suas necessidades no local correto ou até mesmo só as faz quando o tutor retorna para casa, isso pode sugerir que o comportamento está relacionado à sua ansiedade de separação, e não a problemas de saúde física.

5. Sinal de estresse corporal

Além de seguir o tutor pela casa, observe outros sinais de estresse corporal, como lambedura excessiva, bocejos frequentes (que não estão associados ao cansaço), pupilas dilatadas e orelhas abaixadas. Esses sinais indicam que o pet está se sentindo desconfortável ou ansioso.

6. Variação no comportamento alimentar 

A recusa em comer não é o único sinal de ansiedade de separação relacionada à alimentação. Alguns animais podem apresentar comportamentos alimentares compulsivos quando estão sozinhos, devorando a comida rapidamente como uma forma de lidar com o estresse.

7. Causas desencadeantes

Preste atenção às possíveis causas desencadeantes da ansiedade de separação em pets. Isso pode incluir coisas como pegar as chaves, pegar a bolsa ou vestir o casaco, que o pet associa a saída do tutor. Esses sinais podem desencadear mudanças comportamentais no pet antes mesmo da partida dos tutores.

"Compreender esses detalhes pode ajudar os tutores a reconhecerem os transtornos relacionados à separação de forma mais eficaz, garantindo que ele receba o suporte e o cuidado necessários para uma vida feliz e saudável" afirma Mariana. 

Como prevenir? 

A prevenção é a melhor forma de evitar o desenvolvimento do quadro. Para isso, é indicado habituar o pet a solidão desde filhote. Além disso, o tutor pode associar a sua saída a recompensas positivas, como brinquedos ou petiscos especiais. 

Outro ponto importante é evitar saídas emotivas, sair de casa de forma calma e sem grandes despedidas pode reduzir o estresse do pet. "Com a abordagem correta, é possível ajudar os animais a superarem essa ansiedade e viver de maneira mais tranquila e equilibrada", finaliza Mariana

Alto Astral
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade