PUBLICIDADE

Mito ou verdade: a mandioca é realmente tóxica?

Conversamos com um pesquisador especializado em mandioca, Joselito Motta, para desvendar esse mistério de uma vez por todas

20 jun 2022 09h43
ver comentários
Publicidade

Consumida em todo o país e conhecida por diversos nomes, a mandioca, como é chamada pelos paulistas, foi eleita pela ONU (Organização das Nações Unidas) como o alimento do Século 21. É reconhecida por seu potencial nutritivo e pode ser consumida de diversas maneiras: em forma de farinha, cozida, frita, em bolos, para produzir cerveja e muito mais. A raiz também é conhecida como macaxeira, aipim ou maniva em diferentes regiões do país.

Foto: Leticia Senciani / iStock

Os diferentes tipos de mandioca

Antes de responder nossa pergunta, vale ressaltar que existem dois grupos de mandioca: as bravas e as mansas (de mesa). “A diferença que há entre elas é que a mandioca brava tem um princípio tóxico muito mais elevado, que é praticamente nulo no aipim ou macaxeira (mansas). Agora, um exemplo: as farinhas que vocês comem em São Paulo são feitas, predominantemente, de mandioca brava, já as mandiocas que vocês comem nas refeições, fritas ou cozidas, são exatamente o aipim, macaxeira, mandioca de mesa ou mandioca doce”, explica Joselito Motta, pesquisador da Embrapa Mandioca e Fruticultura.

Como diferenciar a mandioca mansa da brava?

De acordo com o pesquisador, a definição correta é feita em laboratório, mas se você precisar diferenciar uma da outra, também é possível. "Você pode mordiscar para descobrir qual dos dois tipos é: a variedade brava, você sentirá um certo amargor na raiz; já a variedade mansa tem um sabor adocicado. Também, na hora do cozimento, as variedades bravas normalmente não amolecem, já as variedades mansas amolecem, como o aipim manteiga, depois de uns 10 ou 15 minutos cozinhando”, ensina Joselito. 

Foto: JFD / iStock

Afinal, a mandioca é realmente tóxica para os seres humanos?

Sim, ela é tóxica para os seres humanos! Mas, segundo Joselito, apenas a variedade brava possui esse princípio tóxico, que é o ácido cianídrico. Porém, quando a raiz é processada para fazer farinha, ela vai para a prensa, é esfarelada e depois vai para o forno, fazendo com que esse composto tóxico se volatilize e o produto final se torne próprio para o consumo.

O que acontece se alguém é intoxicado?

Se alguém comer a mandioca crua, que contém o ácido cianídrico, ela pode ser intoxicada e com isso ter dores de cabeça muito intensas, náuseas, vômitos, desidratação e pode vir até a ser internada, dependendo da quantidade que foi ingerida.

Redação Degusta
Publicidade
Publicidade