2 eventos ao vivo

Universidade oferece terapia com cães para estudantes

Ação pretende reduzir casos de transtornos mentais e melhorar as relações no ambiente acadêmico

20 ago 2019
14h56
atualizado às 16h52
  • separator
  • 0
  • comentários

A Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Paraná anunciou nesta terça-feira, 20, que vai oferecer terapia com cachorros aos universitários, ao longo deste semestre letivo, para minimizar o estresse e a ansiedade.

Chamada de Programa de Cães Terapeutas, a iniciativa voluntária tem também o objetivo de combater possíveis transtornos na vida dos alunos, como a depressão e o isolamento social.

Iniciativa conta com a parceria do Projeto Amigo Bicho, que oferece terapia assistida por animais.
Iniciativa conta com a parceria do Projeto Amigo Bicho, que oferece terapia assistida por animais.
Foto: Divulgação / Estadão Conteúdo

"Encontrar o equilíbrio entre estudo, família, amigos e trabalho externo é, muitas vezes, um processo desafiador para os acadêmicos. Por isso, como universidade, temos a responsabilidade de buscar alternativas para essas questões", afirma Ana Lucia Michelotto, psicopedagoga da instituição.

De acordo com ela, a presença de um cachorro em um ambiente educacional melhora a concentração, atenção, motivação e o relaxamento, refletindo na diminuição dos níveis de estresse que inibem a aprendizagem.

O projeto nasceu diante de uma série de atividades das comunidades acadêmicas brasileiras para reduzir esses problemas. Dados obtidos pelo Estadoapontam 22 tentativas de suicídio na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) entre 2012 e 2017. No mesmo período, cinco estudantes concretizaram o ato nas federais de São Paulo (Unifesp) e do ABC (UFABC).

Por enquanto, a ação da PUC se limita ao campus de Curitiba, e os cachorros ficarão disponíveis para interagir com os estudantes um dia por semana.

Os pets participantes integram o Projeto Amigo Bicho, uma organização sem fins lucrativos que oferece terapia assistida por animais. Ela é formada por voluntários que levam seus cães semanalmente em instituições como escolas especiais, hospitais, centros psiquiátricos, orfanatos e asilos.

Veja mais:

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade