0

Quarentena traz oportunidade de redescoberta da sexualidade

Novas formas de se relacionar emocional e fisicamente com o outro e consigo são vantagens do isolamento social

24 jun 2020
10h12
atualizado às 11h04
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

É certo que a pandemia do novo coronavírus trouxe mudanças significativas para todos nós, desde a forma como interagimos com outras pessoas até os hábitos de higiene. Quando delimitamos a discussão para quem pode ficar em casa durante a quarentena, a sexualidade não escapa dos impactos. Ao mesmo tempo que pode sofrer um abalo, ela pode ser impulsionada por uma redescoberta — e isso vai além do sexo e independe do status de relacionamento.

 Quarentena traz oportunidade de redescoberta da própria sexualidade
Quarentena traz oportunidade de redescoberta da própria sexualidade
Foto: Ava Sol/Unsplash

Para os casais, se antes o tempo passado juntos era escasso e agora o home office é viável, as horas lado a lado aumentaram. Segundo especialistas em terapia de casal, as duas situações mais comuns neste momento são: ou os parceiros viram a chance de se aproximarem ainda mais, fazendo com que a vida sexual também melhorasse, ou os conflitos tornaram-se mais frequentes, o que prejudicou a relação íntima.

Os parceiros que estão em casas separadas, respeitando a quarentena, tiveram de aprender a manter o relacionamento saudável a distância. Mensagens de texto, áudio e vídeo passaram a ser recursos essenciais para isso, além de matar um pouco a saudade e — por que não? — amenizar o desejo sexual.

Já os solteiros viram-se isolados na própria companhia, o que pode ser tão desafiador quanto estar acompanhado de alguém. Mas estar sozinho nem sempre é sinônimo de solidão. Essa é a oportunidade de conhecer as próprias vontades, fazer ou manter as pazes consigo e descobrir que é possível ter momentos sexualmente prazerosos nessas condições. Além disso, os aplicativos de encontro e outras redes sociais estão à disposição para se fazer novos contatos.

Em todos esses casos, redescobrir a sexualidade requer autoconhecimento, experimentações e disposição. Muitos têm investido em brinquedos sexuais, por exemplo. Um levantamento feito pelo Mercado Erótico entre lojistas e revendedores estima que, desde março, a venda de vibradores aumentou 50% em relação ao mesmo período de 2019. Embora os solteiros sejam os que mais investem no produto, casais estão adquirindo conjuntamente.

"Foi uma descoberta realmente. Casais passando por isso estão tendo uma intimidade mais profunda do que a da sexualidade", afirma a sexóloga Cátia Damasceno, autora do livro Bem Resolvida, que traz temas voltados a sexo e autoestima. Para ela, vibrador é algo que "todo ser humano precisa experimentar" e foi "umas das coisas boas da pandemia". Uma possível explicação para a elevação das vendas do item é que, se antes havia vergonha de ir a um sex shop, agora as compras online facilitam a obtenção.

Uma nova companhia

O professor Julian, de 32 anos, mantém dates virtuais e apostou em um novo vibrador, algo que, segundo ele, não teria acontecido se não fosse a quarentena. A motivação incluiu buscar mais formas de prazer. "A masturbação virou parte do meu dia, seja num momento comigo mesmo, em que escolhia me estimular sozinho, seja por esses contatos, com fotos e vídeos que recebo", relata. Ele lidaria com as redescobertas da própria sexualidade de qualquer forma, mas a quarentena trouxe vantagens.

O começo do isolamento coincidiu com as primeiras mudanças corporais devido à aplicação de testosterona, o que também mexeu com a libido. Então, veio a vontade de explorar mais as alterações em si. "Foi também uma chance de eu aprender a me olhar." Junto com o alívio do estresse, Julian viu na prática uma forma de autoconhecimento, de se perceber nesse momento de transição física de gênero ao se concentrar apenas no próprio corpo.

Outro recurso de que ele lançou mão foram os filmes e literatura eróticos, mas diz que não teve o mesmo "efeito" das conversas reais. Para outras pessoas, no entanto, esses artifícios podem funcionar muito bem. "Mulheres gostam de filmes românticos tendendo a eróticio", diz a ginecologista e sexóloga Jaqueline Brendler, membro da Academia Internacional de Sexologia Médica. "[Elas] têm mais dificuldade com fantasia, mas não tem como reaprender a ter outras maneiras de orgasmo se não estivermos pensando em algo erótico."

Uma nova percepção da sexualidade

Rogério*, de 34 anos, encontrou na troca de fotos íntimas, os nudes, uma maneira de aliviar a tensão sexual acumulada na quarentena. Para ele, a prática não é nova, mas foi intensificada agora, principalmente porque trabalha em contato direto com pessoas suspeitas ou com confirmação de covid-19 e segue o isolamento à risca. Nesse momento, compartilhar imagens até com pessoas desconhecidas foi uma novidade.

"Eu sou demissexual, então, geralmente, preciso de uma intimidade com a pessoa, algum contato prévio. Nos casos dos nudes, me deu uma abertura maior de trocar uma intimidade com alguém de forma espontânea e até rápida", conta. "Foi diferente (enviar nudes) para uma pessoa que nunca vi na vida e provavelmente nunca verei, já que ela mora na Paraíba."

As fotos evoluem para vídeos, áudios e textos mais eróticos. Para manter a segurança, ele faz imagens que escondam o rosto e usa o Instagram devido à função de tempo para expirar mensagens. Outro comportamento que Rogério mudou na quarentena foi o da masturbação. "Embora ela alivie, não quis dar muita ênfase para também não usar de pornografia."

Uma pesquisa internacional, conduzida por Jaqueline Brendler e outros sete médicos da Espanha, Argentina e Uruguai, busca avaliar o comportamento sexual das pessoas na quarentena. Resultados preliminares indicam que a masturbação é a segunda prática mais realizada pelos brasileiros, passando o isolamento no Brasil ou não, e a primeira nos países de língua espanhola. "Na pesquisa de língua portuguesa, predomina quem estava em isolamento em casal. Na espanhola, predomina casais que moram em casas separadas", explica a sexóloga sobre a diferença de perfis que justificariam os resultados.

Compartilhando experiências

Durante a quarentena, a editora e tradutora Giovana Bomentre, de 27 anos, começou a falar sobre sexo com outras pessoas por meio do Instagram. Uma vez por semana, ela lança uma caixinha de perguntas nos stories da rede social para que as pessoas questionem ou façam comentários sobre o tema. Ela responde ou comenta livremente a partir do que sabe. O compartilhamento de experiências torna-se mais um meio para redescobertas.

Por meio do Instagram, Giovana Bomentre fala sobre sexo e sexualidade com os seguidores.
Por meio do Instagram, Giovana Bomentre fala sobre sexo e sexualidade com os seguidores.
Foto: Instagram/@gisomente / Estadão Conteúdo

"E sempre fui bastante curiosa e aplicada em pesquisar o que me interessava. Estar no meio LGBTQIA+ desde adolescente e ter vivências não monogâmicas desde o início da vida adulta também me ajudaram a ser aberta às possibilidades da sexualidade", ela diz. O que começou por causa de um dia de tédio transformou-se em trocas enriquecedoras. "Eu sabia que ia ter amigos se engajando quando puxei o assunto porque sabia que eles também têm certa abertura e que estava todo mundo com libido acumulada", ri, "o que eu não esperava era estabelecer uma confiança com desconhecidos. Acredito que a dinâmica anônima e usar o bom humor ajudam bastante."

Giovana conta que as perguntas e os comentários que mais surgem em meio à quarentena são relacionados à falta de libido, dicas para lidar com a diferença de libido no casal, frequência sexual e desejos específicos. "Ainda rolou bastante pedido de conselho para sexting [compartilhamento de conteúdo erótico por apps] e nude, especialmente dos que estão buscando cultivar novas parcerias para colher depois do isolamento."

Casais entre a harmonia e o conflito

A psicóloga Margareth dos Reis, que é terapeuta sexual e de casais, continua atendendo pacientes virtualmente e percebe diferenças nos relacionamentos conjugais. "No começo, aqueles que estavam mais conectados tiveram um entusiasmo muito maior para melhorar essa conexão durante a quarentena. Aqueles que não estavam tão bem tiveram uma oportunidade de experimentar sua conexão com a outra pessoa da relação", descreve.

Já a especialista em sexualidade Cátia Damasceno, que também tem conversado com suas pacientes, fala do impacto da hiperconvivência a qual os casais não estavam acostumados. "Começou a haver muitas brigas, discussões, sentimentos aflorados pela necessidade de expressar toda a angústia interna. Agora, as coisas estão mais ajustadas no sentido de ter uma rotina, divisão tarefas, para que ambos consigam continuar trabalhando e ter vida como casal."

A falta de conexão e os conflitos entre casais podem interferir na libido das pessoas e, com isso, prejudicar a vida sexual, afirma o urologista e sexólogo Danilo Galante. Ele também tem percebido os homens reclamando da "rotina massacrante" e das mulheres que não estão conseguindo dar conta de cuidar da casa, dos filhos, trabalhar e ter relação sexual. "É uma fase para ter paciência, empatia, entendimento do que está acontecendo para que as pessoas contenham o problema sexual", diz o médico.

A intimidade física está diretamente relacionado à intimidade emocional entre os pares. Segundo Margareth, a quarentena traz a oportunidade de os indivíduos redescobrirem a sexualidade como casal também por meio de atividades indiretamente ligadas ao sexo. "Cozinhar juntos, tomar banho juntos, procurar fazer coisas em que um colabora com o outro nas atividades do dia a dia. Isso facilita muito a aproximação, que leva a uma transa muito mais intensa", explica.

Essa é a sexualidade além do sexo. Os autores Mary Porter e Thore Langfeldt, junto com a Organização Mundial da Saúde, definiram sexualidade como um conjunto de fatores emocionais, psicológicos, que influencia nossos pensamentos, sentimentos, ações e interações. Como parte integrante de todo ser humano e uma necessidade básica que não pode estar separada de outros aspectos da vida, ela é importante para a saúde mental e física.

Ocorre que, em meio à pandemia, os casos de estresse e ansiedade aumentaram. "Todo mundo que está tendo algum grau de ansiedade e depressão vai ter efeito na vida sexual se não for muito bem entendido e conversado", diz Galante. A ConVid Pesquisa de Comportamentos, realizada pela Fundação Oswaldo Cruz em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais e a Universidade Estadual de Campinas, mostrou que, durante a pandemia, 40,4% das pessoas sentiram-se tristes ou deprimidas muitas vezes ou sempre, enquanto 52,7% ficaram ansiosas ou nervosas nessa mesma frequência.

Se de um lado a ansiedade prejudica a sexualidade, o sexo e a masturbação podem ser válvulas de escape. Os especialistas relatam melhora da autoestima, oportunidade de autoconhecimento e aumento da autoconfiança. Foi o que ocorreu com Julian, que antes era inseguro quanto ao próprio corpo. "Não posso garantir que após o fim da quarentena a segurança vá se manter, [mas] tem sido uma mudança de fora para dentro, que ajuda muito. É estimulante."

Cuidado com o vício

O velho ditado já diz que equilíbrio é tudo na vida, então é importante perceber quando a masturbação, embora seja uma prática saudável e recomendada, torna-se um problema. No momento em que a pessoa deixa de trabalhar ou fazer suas atividades rotineiras para se mastubrar, compromete a alimentação e o sono em detrimento desse prazer, é hora de ligar o alerta. O mesmo vale para o consumo de pornografia.

Estatísticas do Pornhub, um dos maiores sites de conteúdo adulto do mundo, indicam aumento do tráfego dentro da plataforma desde o início da pandemia. Em 17 de março, houve um pico de 11,6% em todo o mundo. No Brasil, na mesma data, o acréscimo foi de 13,1%. "A pessoa começa a se divertir, mas tem necessidade de cenas mais fortes, indo para um sexo mais excepcional e o excesso de visualização pode torná-la viciada. Tem de moderar", ressalta a ginecologista Jaqueline.

Dicas para melhorar a sexualidade em tempos de quarentena

Entidades de saúde de diferentes países afirmam que o melhor parceiro que você pode ter na quarentena é você mesmo. Com equilíbrio, a masturbação é a prática mais indicada para evitar o contágio pelo novo coronavírus. Em segundo lugar, uma pessoa que mora com você é a mais segura para manter relação sexual. E há uma forte recomendação para que se evite sair com desconhecidos — substitua encontros presenciais por sexo virtual.

Com base na conversa com os especialistas, listamos algumas dicas para melhorar a sexualidade em tempos de pandemia — e sempre — que valem para todas as pessoas, em qualquer status de relacionamento. Confira:

- conheça seu corpo: aproveite alguns momentos consigo para explorar o que te dá prazer e onde. Para as mulheres, olhar a própria vulva no espelho e explorar a região durante o banho, por exemplo, ajuda a entender melhor como você reage a estímulos. Aos homens, a dica é experimentar outras partes do corpo que dão prazer além do pênis. Vale fantasiar ou ver filmes eróticos, mas sem tocar no órgão.

- mantenha uma rotina: sexo e masturbação fazem parte da vida e merecem atenção, mas não podem guiar todo o dia. Dedique tempo ao café da manhã, almoço, jantar, trabalho, tarefas da casa e ao prazer consigo ou com o parceiro. Se organizar direitinho…

- para casais, atividades conjuntas: cozinhem juntos, aprendam uma nova atividade juntos, reservem um momento para se arrumarem, jantarem ou 'irem ao cinema' nas plataformas de streaming. Façam planos para o futuro pós-pandemia, porque isso ajuda a estar firme em um presente incerto. E conversem: expressar abertamente o que sentem, do que gostam e como querem é essencial para a conexão física e emocional.

- aposte em estimulantes: brinquedos, filmes e livros eróticos podem contribuir nessa aventura que é a redescoberta da sexualidade. Mas atenção: se você não tem costume com algo do tipo, vá devagar. Não precisa comprar o vibrador high-tech de última geração com dez velocidades. Um começo tranquilo e confortável é o caminho.

- ame-se: essa redescoberta da sexualidade envolve olhar mais para si, por fora e por dentro, em um processo de autoconhecimento. O resultado será gostar mais de si, perceber que você consegue ter prazer sozinho ou com outra pessoa e ajudará a amenizar os sentimentos negativos da quarentena, como a ansiedade.

*Nome fictício

Veja também:

Venezuela: os trabalhadores da saúde com salários de US$ 4 por mês e sem equipamentos de proteção
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade