PUBLICIDADE

Mulher vê filha e marido serem levados por enchente e fica mais de 24h agarrada em poste no RS

Keide Wendt, moradora da região do Vale do Taquari (RS), ficou mais de 24 horas agarrada em um poste aguardando por socorro

20 mai 2024 - 09h02
(atualizado às 09h19)
Compartilhar
Exibir comentários
Moradora que ficou mais de 24h agarrada em poste à espera de socorro no Vale do Taquari
Moradora que ficou mais de 24h agarrada em poste à espera de socorro no Vale do Taquari
Foto: Reprodução/TV Globo

Após ver a filha mais nova e o marido serem levados pela enchente, Keide Wendt, moradora da região do Vale do Taquari (Rio Grande do Sul), ficou mais de 24 horas agarrada em um poste aguardando por socorro. A história dela foi contada no Fantástico, da TV Globo. 

Keide, agora abrigada na casa de parentes em Venâncio Aires, está acompanhada de seus pais, do irmão, da filha mais velha, sobrinhas e um vizinho. A cidade fica a aproximadamente 30 km de Cruzeiro do Sul, uma das áreas mais atingidas pelas fortes chuvas. As operações de busca e resgate continuam em nove cidades da região, com cerca de 30 pessoas ainda desaparecidas, segundo as autoridades.

Resgatada no dia 3 de maio após passar 24 horas agarrada em uma torre de transmissão, a angústia de Keide começou ainda dois dias antes. Ela relata que estava em casa com seu marido, Fabrício, e a filha, Manuella, de 11 anos, quando o rio começou a transbordar, invadindo sua residência.

“Começou a estourar as portas. Ondas, era uma pressão enorme e horrível. Eu ouvia o barulho. O rio, em vez de fazer a curva, ia direto na nossa casa”, relatou.

Desesperados, a família subiu até a laje de concreto da casa, mas a força da água os fez tomarem a decisão de saltar. "Nós se jogamos entre o meio das árvores, só que quando ele [marido] foi com a minha menina, a água veio e jogou ele para o outro lado. Eu só vi os dois se separando", lamentou. 

Keide foi resgatada por voluntários em um barco, e imediatamente iniciou a busca por sua filha e seu marido. O corpo de Manuella foi encontrado embaixo dos destroços no dia 16 de maio. Fabrício continua desaparecido.

“Antes de cair na água, nós nos despedimos. Nós três nos abraçamos e eu disse: 'Amo vocês muito'", relembrou emocionada. 

Novas imagens mostram água e lama nas ruas de Porto Alegre :
Fonte: Redação Terra
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade