PUBLICIDADE

Por que a Mercedes F1 não está otimista para o GP de Mônaco?

Toto Wolff, chefe da Mercedes, acha difícil que a equipe repita em Mônaco o desempenho apresentado em Barcelona: “Expectativa baixa”

25 mai 2022 17h58
ver comentários
Publicidade
Mercedes pode repetir bom desempenho da Espanha em Mônaco?
Mercedes pode repetir bom desempenho da Espanha em Mônaco?
Foto: Mercedes / Twitter

Um dos temas centrais da temporada da Fórmula 1 até aqui tem sido a dificuldade da atual octacampeã Mercedes em fazer seu carro ser competitivo. No GP da Espanha, realizado no último fim de semana, no entanto, a equipe apresentou uma melhora considerável. As atualizações diminuíram bastante o porpoising e permitiram a George Russell liderar parte da prova e terminar no pódio, enquanto Lewis Hamilton fez corrida de recuperação com ritmo impressionante e terminou em 5º.

Expectativas altas para o GP de Mônaco, portanto, certo? Errado. “Minhas expectativas para Mônaco são mais baixas que para qualquer outro circuito”.

As palavras foram proferidas por Toto Wolff, o chefe da equipe, segundo o portal Autosport. O motivo, de acordo com ele, é que as características da pista não combinam com as do W13, o que pode dificultar a vida dos pilotos na apertada corrida monegasca.

O setor 3 do Circuito da Catalunha, composto por curva de média e baixa velocidade, tem características similares ao travado percurso de Mônaco. O desempenho naquela parte pode ser usado como referência para antecipar o comportamento do carro nas ruas do Principado.

Toto Wollf, chefe da Mercedes, não está otimista com a próxima corrida
Toto Wollf, chefe da Mercedes, não está otimista com a próxima corrida
Foto: Mercedes / Twitter

E foi justamente nesse trecho que a Mercedes apresentou maiores dificuldades. Em média, foi apenas a 5ª equipe mais rápida naquele trecho, atrás não só de Ferrari e de Red Bull, mas também de Alfa Romeo e Haas. “Estivemos particularmente lentos nas curvas do último setor [de Barcelona] devido ao superaquecimento”, afirmou Wolff.

Toto lembrou, ainda, que a equipe não teve vida tão fácil na pista de Monte Carlo em anos recentes: “Pode até ser diferente em Mônaco, mas Mônaco não tem sido um lugar dos mais felizes para nós no passado. Talvez porque o carro era do tamanho de um elefante”, brincou.

Apesar de prever dificuldades, o chefão se mostra ansioso para acompanhar como será o desenrolar dos fatos e já vê nos problemas uma oportunidade de aprendizado: “Estou curioso para ver onde estaremos no fim de semana”, disse. “Mas vai ser outro ponto de aprendizado, pelo menos para nos colocar de volta ao jogo”.

Parabólica
Publicidade
Publicidade