PUBLICIDADE

Cinco recordes na F1 que duram desde os anos 1950

Mesmo com tantas provas, alguns recordes ainda duram mais de 70 anos na F1. Vamos listar alguns.

19 jul 2022 - 22h52
(atualizado em 20/7/2022 às 09h59)
Ver comentários
Publicidade

Vários recordes da F1 demoraram para ser quebrados. Um deles foi o de piloto com mais títulos. Muitos julgavam impossível superar a marca de Juan Manuel Fangio com cinco campeonatos. Estabelecido em 1957, durou até 2003, quando Michael Schumacher conquistou seu sexto triunfo. Atualmente, temos dois pilotos com sete títulos na categoria: além de Schumacher, Lewis Hamilton.

Entretanto, outros recordes permanecem e aparentam ser inquebráveis. Para citá-los temos que voltar a uma época onde a F1 não tinha pit-stop obrigatório e um piloto poderia correr por várias voltas à frente sem ser incomodado. Além disso, a idade não era um fator de exclusão já não havia uma grande renovação e muitos pilotos com mais de 50 anos corriam na categoria.

1 - Vencedor mais velho

Luigi Fagioli durante o GP da Italia de 1934
Luigi Fagioli durante o GP da Italia de 1934
Foto: Mercedes AMG F1 / Twitter


Esta é uma das marcas mais antigas da F1(sem trocadilho aqui). O vencedor mais velho da categoria em números absolutos é o italiano Luigi Fagioli. Astro das pistas nos anos 30, chegou a vencer alguns GPs em uma época que ainda não existia a F1, entre eles o de Mônaco de 1935 pela Mercedes. Em 1950, ele disputou o título com retrospecto impressionante: mesmo não vencendo nenhuma prova, chegou em 2° lugar em quatro delas e um 3° lugar. Mas no fim das contas, o vencedor foi Giuseppe Farina, também batendo Fangio.

Em 1951, ele disputou só uma prova, o GP da França, e venceu, com 53 anos e 22 dias. Porém, há uma observação aqui: havia uma regra que permitia que pilotos podiam dividir um carro em caso de abandono, com a pontuação sendo dividida igualmente. 

Foi exatamente o caso aqui: Fangio estava com problemas no motor e a equipe mandou ele trocar de carro com Fagioli na volta 24. O argentino  pegou o carro em 3° lugar e, com uma certa dose de sorte, conseguiu a vitória e a volta mais rápida, que valia um ponto na época. 

Fagioli teve que ficar se arrastando com o carro cheio de problemas do argentino.O Italiano ficou revoltado e prometeu nunca mais voltar à F1 depois do fato, mesmo “vencendo”. Ele acabou morrendo em 1952, nos treinos para o GP de Mônaco daquele ano.

Quem tem esse recorde em uma vitória “solo” é Giuseppe Farina, com 46 anos, 9 meses e 3 dias, no GP da Alemanha de 1953. Atualmente é inimaginável ver um piloto chegando a essa idade competitiva. No século XXI, o piloto mais velho a conquistar uma vitória Kimi Raikkonen, com 39 anos e 4 dias, no GP dos Estados Unidos de 2018.


2 - Voltas lideradas consecutivas

Alberto Ascari durante o GP dos Países Baixos de 1953
Alberto Ascari durante o GP dos Países Baixos de 1953
Foto: Scuderia Ferrari / Twitter

Alberto Ascari foi o primeiro campeão pela Ferrari na F1, sendo também o único italiano a ganhar um título pela equipe na categoria. É bem verdade que obteve dois triunfos: 1952 e 1953. Neste último, se aproveitou de uma dominância por parte da Ferrari e marcou uma das marcas mais impressionantes da F1.

Ascari conseguiu liderar 305 voltas (2075 km) entre o GP da Bélgica e dos Países Baixos de 1952. Quem chegou mais perto desta marca foi Ayrton Senna entre os GPs da Grã-Bretanha e Itália de 1988, marcando 264 voltas seguidas nas liderança (1435 km). Do grid atual, Sebastian Vettel obteve 205 voltas (1112km) entre o GP de Singapura e da Índia de 2012. 

 

3 - Títulos por equipes diferentes

Juan Manuel Fangio no GP da Argentina de 1955
Juan Manuel Fangio no GP da Argentina de 1955
Foto: Mercedes AMG F1 / Twitter


Esse talvez ninguém tire de Juan Manuel Fangio. O argentino obteve cinco títulos na F1 por quatro equipes diferentes. Em 1951 pela Alfa Romeo; em 1954 com Maserati e Mercedes (aqui é o único piloto que venceu um mesmo título correndo por duas equipes diferentes). Em 1955 pela Mercedes novamente. Em 1956, pela Ferrari (um tanto a contragosto) e em 1957, pela Maserati. Fora Fangio, nenhum outro piloto conquistou títulos por mais de duas equipes diferentes.


4 - Ganhos de posições em uma corrida

Jim Rathmann durante a Indy 500 de 1960
Jim Rathmann durante a Indy 500 de 1960
Foto: IMS Museum / Twitter


A marca pertence a Jim Rathmann, na Indy 500 de 1957 (a prova fez parte do calendário da F1 entre 1950 e 1960). Ele largou em 32° lugar e chegou em 2°lugar, ganhando 30 posições no total. Este é um recorde que realmente nunca deve ser quebrado na F1, até porque, com as atuais regras, só teríamos um máximo de 13 equipes e 26 pilotos.


5 - Porcentagem de vitórias em uma temporada

Alberto Ascari: o melhor aproveitamento da história da F1
Alberto Ascari: o melhor aproveitamento da história da F1
Foto: Scuderia Ferrari / Divulgação



Mais uma marca de Alberto Ascari. Na temporada de 1952, com oito etapas previstas, o italiano não participou da primeira etapa, o GP da Suiça, já que estava se preparando junto com a Ferrari para a Indy 500, então a única equipe europeia a participar da prova no período em que ela fez parte da F1. A empreitada foi um fiasco, com Ascari se esforçando muito para se qualificar para a prova e completando poucas voltas, com problemas mecânicos.

Na volta para a Europa, com 6 etapas pela frente, o italiano simplesmente venceu todas, conquistando o título mundial, com 75% das vitórias daquela temporada. Quem mais chegou perto desta marca foi Michael Schumacher. Em 2004, o alemão conquistou 13 vitórias em 18 etapas, chegando a um aproveitamento de 72%.

Parabólica
Publicidade
Publicidade