1 evento ao vivo

Teste de 1.000 km: Peugeot 2008 Allure surpreende na estrada

Mesmo na versão 1.6 de 118 cv, o 2008 Allure Pack automático proporciona viagens confortáveis com prazer ao dirigir

13 dez 2019
05h59
atualizado às 08h50
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
O Peugeot 2008 ganhou nova frente na linha 2020.
O Peugeot 2008 ganhou nova frente na linha 2020.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

O Peugeot 2008 Allure diferencia-se do 2008 Griffe porque só tem a opção do motor 1.6 aspirado de 118 cv de potência. Já o 2008 Griffe pode ser comprado com esse motor ou com o 1.6 turboflex de 173 cv. Porém, a versão Allure é muito mais em conta. Na verdade, são duas configurações: Allure (R$ 69.990) e Allure Pack (R$ 85.490). Fizemos um teste de 1.000 km com o 2008 Allure Pack, entre as cidades de São Paulo e Londrina (PR).

Uma coisa agora é regra na família 2008: todas as versões utilizam câmbio automático de seis velocidades. A diferença do 2008 Allure para o Allure Pack são apenas cinco equipamentos: faróis de neblina, volante revestido de couro, câmera de ré, alarme perimétrico e rodas de liga leve aro 16. Durante nossa experiência com o carro, todos esses equipamentos foram úteis, mas não seria um absurdo viver sem esses itens e economizar bons R$ 15.500. Estamos inclinados a dizer até que a versão de entrada tem melhor custo-benefício.

O 2008 vai muito bem nas estradas de pista simples.
O 2008 vai muito bem nas estradas de pista simples.
Foto: Cris Prado / Guia do Carro

Na cidade, tanto em São Paulo quanto em Londrina, o Peugeot 2008 mostrou-se um carro bastante amigável. Sua utilização no dia-a-dia é muito prática, pois ele é um SUV realmente compacto, fácil de estacionar, e sua direção é levíssima nas manobras. Usamos vagas apertadas e o 2008 coube em todas elas. Além disso, o volante de raio bem pequeno melhora ainda mais sua manobrabilidade. E mesmo não sendo uma novidade, ainda chama atenção de quem dirige o carro pela primeira vez.

Ainda na cidade, sempre com o ar-condicionado ligado e com algumas situações de trânsito pesado, o 2008 Allure conseguiu média de consumo melhor do que os números oficiais do Inmetro (7,5 km/l com etanol e 9,2 com gasolina). Fizemos 10,9 km/l com gasolina. A central multimídia, porém, não é das mais amigáveis. É verdade que ela vem com Android Auto e Apple CarPlay, além de ter tela tátil de 7”, porém às vezes um botão faz falta. E o volante multifuncional, que indica “list” abaixo de um desenho de telefone, nunca mostra os contatos telefônicos, mas sempre as estações de rádio. É meio confuso.

Rodovia Castello Branco: na autoestrada o carro não dá sono.
Rodovia Castello Branco: na autoestrada o carro não dá sono.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

Na estrada, o Peugeot 2008 Allure surpreendeu positivamente. Não esperávamos grande desempenho, por se tratar do motor 1.6 menos potente da família. Claro que o 1.6 turbo da versão Griffe THP é muito mais indicado para a estrada, porém o “mil-e-seis” aspirado não fez feio. Sua média nas medições de consumo do Inmetro é 10,7 km/l com etanol e 13,0 com gasolina. A nota é C. Dividimos o consumo em dois trechos: estrada de pista simples e autoestrada. Rodamos sempre com gasolina e fizemos 11,9 km/l de média com pista simples. Na auto-estrada (Rodovia Castello Branco), fizemos os mesmos 13 cravados do Inmetro.

É preciso entender, porém, que o carro não é muito potente. Especialmente carregado (três pessoas e bagageiro cheio), como foi no percurso da volta, é preciso ser dócil com o acelerador para que o consumo não aumente demais. Isso vale para qualquer automóvel que tenha menos de 120 cavalos. Todavia, o rodar suave do 2008 Allure foi um de seus pontos altos. A Peugeot acertou na suspensão traseira, pois o carro tem um belo equilíbrio entre conforto e estabilidade. Para além disso, nas retomadas de velocidade a resposta agrada. A combinação de suspensão equilibrada, entrega de torque/potência a partir de 2.500-3.000 rpm e uma direção muito precisa (com volante pequeno) torna a condução do 2008 Allure prazerosa em estradas estreitas. E não dá sono na autoestrada (pista dupla ou tripla).

PEUGEOT 2008 ALLURE PACK 1.6
Item Conceito

Nota

(0 a 5)

Desempenho Médio 2
Consumo Bom 3
Segurança Muito bom 4
Conectividade Bom 3
Conforto Bom 3
Pacote de Série Médio 2
Usabilidade Bom 3
Veredicto Bom 2.9

Os bancos também são confortáveis, porém em viagens o motorista é privilegiado em relação aos passageiros. Atrás, só dois adultos viajam confortavelmente e o espaço para pernas não é exatamente generoso. Na frente, o passageiro fica um pouco apertado. Mais ainda se houver alguém no banco de trás limitando o ajuste horizontal do banco. E um detalhe: como faz falta a alça “segura trouxa”. Sem ela, o passageiro sente-se solto no banco. Minha sobrinha Manu havia reclamado, depois eu mesmo experimentei essa sensação.

O motor 1.6 aspirado tem nota C de consumo com o câmbio automático.
O motor 1.6 aspirado tem nota C de consumo com o câmbio automático.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

Menos mal que o porta-luvas é refrigerado, o que é uma boa ajuda para manter líquidos e alguns alimentos frescos no verão. Fazia muito calor durante nosso roteiro. Também digno de nota são os botões Eco e Sport do câmbio automático. No modo Eco o motor praticamente “trava” em 3.000 giros e é preciso paciência para ver a velocidade cair nas subidas. É quase impossível não apelar para um “kick down” (afundar o pé no acelerador) e deixar a economia de consumo para outra ocasião. Já o botão Sport não faz tanta diferença no desempenho.

O que faz diferença é a ausência de borboleta para trocas de marcha manuais. Aliás, as aletas que tanto auxiliam para antecipar uma marcha não estão disponíveis nem nas versões topo de linha do 2008. São esses pequenos detalhes que fazem um bom carro como o Peugeot 2008 vender menos do que poderia. Menos mal que as trocas manuais pela alavanca são intuitivas, ou seja, as marchas reduzem para frente e aumentam para trás. O câmbio é competente.

Nas estradas de terra, o 2008 também tem um comportamento satisfatório. O vão livre do solo é bom (200 mm) e dá ao carro uma versatilidade que SUVs mais famosos não têm. Com a reestilização, o ângulo de ataque ficou maior (23 graus). Porém, essa versão não vem equipada com seletor de terreno, como a Griffe THP, então não é em todo buraco que dá para entrar com o 2008 Allure. Por via das dúvidas, nem arriscamos colocar o carro em situações radicais que poderiam exigir um reboque -- até porque pegamos chuva e as estradas de terra estavam um “sabão”.

TESTE DE 1.000 KM
Item Conceito

Nota

0 a 5)

Autoestrada Bom 3
Estrada simples Ótimo 5
Estrada de terra Muito bom 4
Fora de estrada Bom 3
Cidade Ótimo 5
Percurso 1.204 km  
Autonomia 11,9 km/l  
Veredicto Muito bom 4.0

Depois de rodar cerca de 1.200 km com o Peugeot 2008 Allure Pack, fica a sensação de que o carro amadureceu desde o seu lançamento, em 2015. Visualmente, ele ficou mais bonito. A Peugeot corrigiu a questão da ausência do câmbio automático na versão Griffe THP, mas isso custou a morte do câmbio manual na versão de entrada com motor aspirado. Uma pena, porque há regiões do país em que os consumidores não precisam de transmissão automática como nas grandes cidades. Sem contar que o 2008 manual era mais econômico e exibia nota B de consumo. Ao radicalizar, talvez por trauma interno, a Peugeot apenas coloca mais uma pequena barreira para suas próprias vendas. A soma de alguns pequenos erros de estratégia explica por que o 2008 é apenas o 15º SUV mais vendido do Brasil, apesar de ser melhor do que quase metade dos carros que estão à sua frente no ranking.

Os números

  • Ano: 2020
  • Preço: R$ 85.490 
  • Motor: 1.6 flex
  • Potência: 118 cv a 5.750 rpm (e)
  • Torque: 158 Nm a 4.750 (e)
  • Câmbio: 6 marchas AT
  • Comprimento: 4,159 m
  • Largura: 1,739 m
  • Altura: 1,583 m
  • Entre-eixos: 2,542 m
  • Peso: 1.215 kg
  • Pneus: 205/60 R16
  • Porta-malas: 355 litros
  • Tanque: 55 litros
  • 0-100 km/h: 11s9
  • Velocidade máxima: 201 km/h
  • Consumo cidade: 10,7 km/litro (g)
  • Consumo estrada: 13,0 km/litro (g)
  • Emissão de CO²: 115 g/km

Principais equipamentos 

  • 4 airbags (2 frontais e 2 laterais).
  • Piloto automático e limitador de velocidade.
  • Chave tipo canivete com comando de abre/fecha e acendimento dos faróis.
  • Central multimídia com tela sensível ao toque de 7" e conectividade Android Auto e Apple CarPlay.
  • Volante multifuncional com comandos de áudio e bluetooth.
  • Ar-condicionado com regulagem manual.
  • Banco traseiro inteiriço rebatível.    
  • Vidros elétricos nas quatro portas com sistema de um toque para o motorista.
  • Limpador de parabrisas traseiro indexado à ré.    
  • Faróis com guia de luz de LED e DRL.
  • Barras de teto na cor Preto Onyx. 
  • Moldura nas caixas de roda.
  • Apoio de cabeça e cinto de três pontos para todos os ocupantes.
  • Volante com regulagem de altura e profundidade
  • Banco do motorista com ajuste de altura
  •  Faróis de neblina
  • Volante revestido de couro
  • Câmera de ré
  • Alarme perimétrico 
  • Rodas de liga leve aro 16

Veja também:

Já testamos a segunda geração do Nissan Versa 1.6 CVT
Guia do Carro
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade