2 eventos ao vivo

Netflix vai reduzir qualidade de transmissão de vídeo no Brasil

Empresa seguirá medida adotada na Europa, em que reduz as taxas de bits transmitidos, mas não a resolução das imagens; meta é evitar sobrecarga na rede, com tráfego 25% menor de dados

23 mar 2020
20h41
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O serviço de streaming de vídeo Netflix confirmou ao Estado que vai por em prática no Brasil a política de redução da qualidade de transmissão de vídeos para evitar a sobrecarga das redes, em meio à crise do novo coronavírus. Adotada na União Europeia na última semana, a medida começará a ser posta em prática no País na noite desta segunda-feira, 23, e chegará a todos os usuários do serviço no território nacional em no máximo dois dias.

Segundo comunicado da empresa, porém, não haverá restrição quanto a transmissão em determinadas resoluções - usuários que assistem vídeos em Ultra HD (4K) ou altíssima definição (Full HD, 1080p) continuarão a ter acesso a essa qualidade de vídeo. O que a empresa fará, no entanto, é reduzir as taxas de bits utilizadas na transmissão.

"Em circunstâncias normais, fazemos diferentes transmissões simultâneas de um único título em cada resolução. O que faremos agora é remover as faixas de frequência com maior fluxo de dados", diz Ken Florance, vice-presidente de entrega de conteúdo da Netflix, em comunicado enviado pela empresa à reportagem. A política de transmissões simultâneas é uma das ferramentas que o serviço encontrou para evitar que os vídeos 'travem' ou 'engasguem' durante a exibição. "Quem é muito ligado em qualidade de vídeo pode perceber uma pequena queda na qualidade de cada resolução, mas a entrega ainda será na resolução pela qual o usuário pagou."

Com as medidas, que inicialmente serão válidas por 30 dias para todo o território nacional, a Netflix pretende reduzir em 25% o seu tráfego de internet. Junto de outros sites de vídeo, como Amazon Prime e YouTube, a empresa é uma das maiores responsáveis pelo fluxo de informações na rede atualmente.

Iniciativas

Aqui no Brasil, outras empresas também decidiram adotar a redução de qualidade de vídeos para evitar a sobrecarga da infraestrutura de internet. No domingo, 22, a Globo anunciou que vai cortar as transmissões em 4K e Full HD dos seus serviços de streaming, incluindo Globoplay, Globosat Play, Globoesporte.com, GShow e o site G1. Todos os vídeos serão exibidos apenas em alta definição (720p), buscando gerar economia de tráfego - segundo a empresa, isso significa uma economia de 52% no tráfego de dados em um capítulo de novela de 60 minutos que era transmitido originalmente em Full HD.

Quem também entrou na mesma linha foram Facebook e Instagram, sem detalhar suas medidas, e o serviço de streaming Looke, que tem catálogo de filmes e também aluguel de lançamentos do cinema. Na Europa, Amazon Prime e YouTube anunciaram também que vão reduzir a qualidade dos seus filmes - a Amazon não deu detalhes, enquanto o YouTube informou que os europeus só assistirão a vídeos em definição padrão (SD, 480p) nos próximos 30 dias. Ao Estado, a empresa afirmou na semana passada que a política só será válida no território europeu, por enquanto.

Veja também:

Veja como funciona a Bixby, assistente de voz da Samsung
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade