2 eventos ao vivo

Facebook remove "traição" como palavra-chave para identificar interesses de usuários

11 jul 2018
15h34
atualizado às 15h40
  • separator
  • comentários

O Facebook removeu "traição" como palavra-chave para identificar os interesses de seus usuários para os anunciantes, informou a rede social na quarta-feira, depois que a emissora estatal dinamarquesa DR revelou sua existência.

Silhuetas em frente ao logo do Facebook
28/03/2018
REUTERS/Dado Ruvic/Ilustração
Silhuetas em frente ao logo do Facebook 28/03/2018 REUTERS/Dado Ruvic/Ilustração
Foto: Reuters

Em um artigo publicado na quarta-feira, a DR citou especialistas expressando preocupações de que o rótulo - que o Facebook chamava de "categoria de interesse" - pudesse ser usado por serviços de inteligência em regimes autoritários para identificar pessoas consideradas subversivas.

O Facebook, a maior rede social do mundo com mais de 2 bilhões de usuários, cria categorias como "esportes" ou "música" com base nos interesses online das pessoas, permitindo que as empresas direcionem melhor a publicidade.

Um porta-voz da empresa disse que o rótulo foi removido na semana passada.

"'Traição' foi incluída como uma categoria devido à sua importância histórica. Como se trata de uma atividade ilegal, nós a removemos como uma categoria de interesse", disse um porta-voz do Facebook em um email à Reuters.

Pessoas disseram à rede DR que a identificação poderia ter sido usada pelas autoridades russas para localizar cerca de 65 mil usuários do Facebook cujo comportamento online levou-os a serem rotulados como interessados em "traição".

O porta-voz do Facebook disse: "Quando identificamos o uso indevido de nossos produtos publicitários, tomamos medidas. Dependendo da violação, podemos remover o anúncio, suspender a conta de anúncio ou até denunciar o anunciante à aplicação da lei."

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade