PUBLICIDADE

PF intima Bolsonaro, Michelle, Wassef e Mauro Cid para depoimentos simultâneos no caso das joias

Outros quatro investigados também serão ouvidos no próximo dia 31

22 ago 2023 - 22h48
(atualizado às 23h25)
Compartilhar
Exibir comentários
Bolsonaro e Michelle foram intimados pela PF e devem ser ouvidos no próximo dia 31.
Bolsonaro e Michelle foram intimados pela PF e devem ser ouvidos no próximo dia 31.
Foto: Wilton Junior/Estadão / Estadão

A Polícia Federal (PF) intimou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro e outras seis pessoas investigadas no caso das joias a prestarem depoimento simultâneo no próximo dia 31 de agosto.

Os investigadores querem ouvir todos ao mesmo tempo para evitar a chance de combinarem versões. Além de Bolsonaro e Michelle, foram intimados:

  • Mauro César Barbosa Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro;
  • Mauro César Lourena Cid, pai de Mauro Cid, general da reserva do Exército;
  • Fábio Wajngarten, advogado de Bolsonaro e ex-chefe da Secretária de Comunicação da Presidência;
  • Fraderick Wassef, advogado de Bolsonaro;
  • Marcelo Câmara, assessor especial do ex-presidente;
  • Osmar Crivellati, assessor de Bolsonaro.

Todos são citados no relatório parcial da investigação enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) e usado para justificar as buscas na Operação Lucas 12:2.

Bolsonaro e a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro tiveram os sigilos fiscal e bancário quebrados na investigação. A PF quer saber se há transações suspeitas que liguem o casal à venda ilegal de presentes diplomáticos.

Indulto, grampo, invasão de urnas: veja revelações do hacker da 'Vaza Jato' Indulto, grampo, invasão de urnas: veja revelações do hacker da 'Vaza Jato'

Mais cedo, criminalista Daniel Bialski, contratado para representar Michelle, deixou o caso alegando que os advogados de Bolsonaro vão cuidar da defesa do casal.

Os depoimentos estão previstos no mesmo dia em que o ex-presidente já é esperado na PF para dar explicações sobre conversas golpistas de empresários bolsonaristas. Diálogos recuperados pela Polícia Federal mostram que Joseph Nigri, fundador da Tecnisa, atribui a Bolsonaro uma ordem para espalhar fake news.

Estadão
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade